Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

21
Fev23

UMM,sabe o que é?


Vagueando

P5255501 (3).jpg

UMM , junto ao Cabo da Roca - Nascido onde a Terra acaba e o mar começa

A maioria dos portugueses não sabe, mas a indústria automóvel nacional já produziu treze marcas de automóveis, algumas delas bastante inovadoras e com qualidade. Contudo, por razões de diversa ordem, não se impuseram no mercado e, pior que isso, facilmente caíram no esquecimento.

Circulam ainda por aí alguns exemplares destas marcas, como é o caso do jipe UMM, resta saber até quando.

Somos muito bons a elogiar o passado, talvez devido à saudade tipicamente portuguesa, mas somos péssimos a preservar o que temos.

Ouvimos falar que a indústria nacional de componentes para automóveis é reconhecida pela sua grande qualidade, que emprega muita gente, que são detidas maioritariamente por portugueses, que exportam que se farta, contribuindo assim muito para o PIB. A perspetiva é puramente económica.

Sado.jpg

Sado 550 (Foto obtida na Internet - Jornal dos Clássicos)

Lembram-se do micro carro Sado 550 que apareceu por volta de 1982, com 28 cv de potência, 480kg de peso e 110 km/h de velocidade máxima, tendo sido produzidos à volta de 300 veículos?

Dezasseis anos mais tarde, o conceito repete-se e aparece o SMART associado à Mercedes. Ao contrário do SMART, o Sado foi subestimado pelos portugueses, tipo coisa foleira, aquilo era para quem não tinha carta.

Como se a pressão ambiental não bastasse, pouca gente se interessa pelo exemplo vivo da nossa indústria automóvel, o UMM, conhecido também por Um Monte de Merda que, por acaso, não é.

Se um UMM restaurado for estacionado ao lado de um Mini ou de um MG antigo, os portugueses vão espreitar os carros ingleses e marimbam-se no UMM. O ACP, o Automóvel Club de Portugal (sim é mesmo de Portugal) até organiza um Raly/Passeio de Clássicos, a que chamam “O Passeio dos Ingleses” no qual só se podem inscrever automóveis produzidos no Reino Unido.

Sem entrar em grandes detalhes, o Reino Unido tem cerca 18 marcas de automóveis, desapareceram a Austin a Morris, a Triumph, mas fizeram renascer o Mini e o Jaguar. Conseguiram catapultar para fora o culto dos seus carros, nomeadamente através do ACP com a organização do Passeio dos Ingleses e nós próprios não somo capazes da fazer cá dentro o que ingleses conseguiram fazer dentro e fora do seu país.

Imaginem o que seria se um carro concebido em Portugal, por portugueses e até fabricado em Portugal, lhe fosse colocada uma bandeira portuguesa no tablier, lhe fosse pintada a bandeira portuguesa no tejadilho e  fosse equipado com farolins traseiros que representassem a bandeira portuguesa. Seria de mau gosto certamente, mas foi isso que o Reino Unido fez com o seu novo Mini e em Portugal não falta quem o compre.

Homenagear, proteger, divulgar, acarinhar uma marca de automóveis portuguesa é que já é mais complicado. Não entendo se isto se deve a falta de apoio político, falta de interesse dos empresários nacionais, se falta de orgulho nacional ou se é, apenas e só, desprezo por nós próprios. Contudo, tenho a certeza de que não existe falta de capacidade técnica e humana, porque os carros já produzidos provaram o contrário.

Falta olhar para o nosso património automobilístico, para lá do plano meramente económico, olhar com espírito de missão, com empenho e motivação.

Será que não existe em Portugal, para além dos clubes e amigos do UMM, motivação e empenho que permita preservar a marca, não deixar que perca a sua identidade, não deixar que morra, por exemplo, por falta de peças de reposição? Vamos permitir que UMM desapareça, como aconteceu com todos os outros carros fabricados por portugueses em Portugal?

Imaginem por um momento que o Cristiano Ronaldo comprava e restaurava um UMM, isso impulsionaria a preservação da Marca?

Em Inglaterra existem, diversos clubes destinados a preservar os seus automóveis, que fornecem peças e apoio a quem os possui. Não é possível fazer o mesmo em Portugal?

Podem sempre dizer-me que somos poucos, que não temos mercado, que não temos dimensão. Será só isso?

Então não éramos muito menos quando partimos em busca de UMM (Um Mundo Melhor) e nos aventurámos na epopeia dos Descobrimentos?

E éramos assim tantos e tão ricos, quando em 17 de Junho de 1922, já passaram 100 Anos, Gago Coutinho e Sacadura Cabral realizaram a Primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul?

Esta pequenez não nos impediu de realizar feitos bem maiores, comparativamente ao esforço para empreendermos uma tarefa menor, tão simples, como não deixar morrer o que foi construído e bem, o UMM.

Faz-nos falta UMM (Unir as Melhores Memórias) e empreender a missão de, desta vez, não deixar morrer, tal como fizemos a todos os anteriores, mais um veículo nacional. Não queremos UMM (Uma Marca Morta) mas sim UMM (Uma Marca Memorável).

30
Abr19

A nossa Caixa Geral de Depósitos de Mercedes


Vagueando

A CGD, ao que parece, está a enviar emails aos seus clientes para vender a crédito, bem certo, sendo certo que esta política não é um estímulo ao endividamento, automóveis da marca Mercedes Benz, Classe A.

Estranha forma de vida; Quem precisa, coitado, nem vai ao Banco porque sabe que leva uma nega, a não ser que tenha vasto património (ou não) que cubra bem o valor que necessita. Para quem não precisa, o Banco, por acaso público, consciente do papel fulcral que desempenha na dinamização da economia, vai lembrar o cliente, que comprar Mercedes Benz, Classe A é bom para a economia, para o cliente e para a Caixa.

Na gíria diz-se ganhas tu, ganho eu, ganhamos todos.

Faz bem, porque os clientes alvo do email, provavelmente, ainda não se aperceberam que a CGD paga a quem tem poupanças, uma taxa de juro tão pequenina que mais vale gastar do que poupar.

A escolha do Modelo, Classe A, presumo, deriva dos Bancos preferirem dar crédito a pessoas e entidades cujo rating seja o mais próximo de A. Se a Mercedes tivesse um Classe AAA ou, vá lá, A+, era ainda melhor; Assim em vez do desconto agressivo na taxa de juro poderia ter um risco menos agressivo de crédito e um valor (ainda mais) acrescentado com estas operações.

Mais estranho ainda é a justificação do Banco público para seguir esta estratégia, que se deve ao facto de ter que atingir metas exigentíssimas, por lhe ter sido aprovado um plano de recapitalização (necessário devido ao crédito mal parado) que, foi aprovado pelas autoridades Europeias, as quais também já tinham apadrinhado o PEC IV! Ao menos este tipo de crédito não vai ficar mal parado, excepto se o condutor/cliente do Mercedes o estacionar em local proibido ou se o carro avariar, coisa rara numa marca de prestígio.

Não discuto a estratégia da CGD, nem a exigência das autoridades europeias, nem eventualmente as exigências dos contribuintes que não são chamados a opinar, apenas a contribuir para a injecção de capital. Mas porquê a compra de Mercedes Benz?

Ainda se fosse para recuperar jipes da marca nacional UMM, com um passado histórico brilhante, aliás um hino desportivo (José Megre, Carlos Barbosa – Tucha, Pedro Vilas Boas, lembram-se?) à indústria automóvel nacional eu compreendia. Parece que os UMM já estão mais ao serviço dos estrangeiros que nos visitam do que ao serviço dos portugueses. Até no aeroporto de Lisboa, porta grande do turismo em Portugal, tem pelo menos um UMM a exibir-se aos turistas. Assim como assim, se voltar a ser chamado (que devo ser se ainda estiver vivo) a pagar os próximos prejuízos sempre dói menos.

É que esta coisa de ter um número de contribuinte agregado ao cartão de cidadão impede-nos de desertar dos impostos e de rasgar o cartão de sócio das Finanças quando estamos zangados com este clube.

Não obstante, quero deixar um conselho à CGD; Não se esqueça de enviar um email ao comendador Berardo, para que ele faça um crédito destes, com a condição do Mercedes, Classe A, sair directamente do Stand para a sua garagem no Funchal e depois, voilá, penhorar a garagem que estará fortemente valorizada com tão prestigioso automóvel. É que pelo menos a garagem passa ter um rating de Classe A, não dá para AAA, mas sempre ajuda o devedor a fazer Ah, Ah, Ah, com menos vergonha.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub