Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

06
Jan23

Cabeleira Sportinguista


Vagueando

20230106_100213.jpg

Hoje ao vaguear por Sintra, como eu adoro vaguear a pé por Sintra, já que o trânsito dentro desta bela vila, onde tenho o prazer de residir, me irrita solenemente.

Esta irritação deriva do estacionamento se fazer sem respeito por outros automobilistas e por peões, já para não falar no desrespeito pelo Código da Estrada e onde a única coisa que parece interessar é o negócio gerado pelo escasso estacionamento pago, tal é a fúria com que se fiscaliza este e o desleixo com se deixa acontecer o que efectivamente gera problemas de fluidez e coloca em causa a segurança dos peões.

Mas pronto isto foi um desabafo.

Centro-me agora na verdadeira essência do que me levou a escrever hoje. Claro que foi uma foto, a foto acima. Olhei para este muro, naquele momento, naquele exato momento em que o Sol fazia brilhar a mini cabeleira deste muro e pimba, sai o disparo.

Acho que sou um caçador de imagens, passo pelo mesmo local meses a fio e de repente descubro que pode estar ali uma coisa diferente. Já perdi a conta quantas vezes passei por este muro, mas hoje estava verdadeiramente diferente.

Daí que o fotografei e fiquei a observar a foto, que gostei de imediato, mas queria atribuir-lhe outro significado. Vai daí lembrei-me das poucas pessoas que conheço dentro da comunidade Sapo. Como sei que pelo menos uma é do Sporting e se chama José, resolvi atribuir o título de "Cabeleira Sportinguista", a esta foto.

Bem sei que o verde é ligeiramente diferente, a luz do Sol dá-lhe outra tonalidade e outro brilho, mas que é verde é. 

Só peço desculpa não pedir que o clube brilhe este ano como esta cabeleira, porque, com todo o respeito, não é o meu clube do coração.

 

 

03
Out22

Ranholas


Vagueando

Ranholas é a principal porta rodoviária de entrada em Sintra. Chega-se apressado, do IC19, com três faixas de rodagem, para desembocar mesmo no limite nascente desta localidade. E chega-se apressado porque o limite de velocidade, antes de chegar ao local da foto abaixo é de 100 km/h.

Este risco indesculpável foi reportado à Infraestruturas de Portugal em Março de 2021, Processo 2021REC01422. Em 01/04/2021, recebi a seguite resposta deste organismo; "Esclarecemos que sendo uma zona de transição de gestão da via entre a IP e o município de Sintra, vamos proceder à alteração da sinalização vertical de forma a resolver a situação o mais rapidamente possível."

Talvez porque a resposta da Infraestruturas de Portugal foi transmitida no dia das mentiras, explique o facto de, até agora, nada ter sido corrigido.

Ranholoas.jpg

É aqui que as três faixas de rodagem do IC 19  se transformam apenas numa, as outras duas, uma segue para Cascais (via A16), a outra segue em direção às praias de Sintra . É por dentro desta localidade que se acede ao centro de Sintra. (Atente-se no limite de velocidade, já lá irei).

A toponímia  Ranholas, ao contrário do que se pensa, nada tem a ver com ranho ou ranhoso, mas sim com o diminutivo de "ranha" termo que é usado em Portugal e na Galiza para designar declive no leito de um rio - "José Pedro Machado Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa." 

E por se tratar de uma pequena localidade, não se pense que não tem a sua importância na historia de Sintra, porque tem e muita. Foi em Ranholas que nasceram as queijadas mais antigas de Sintra, as queijadas da Sapa, pela mão de Maria Sapa. 

"As Queijadas da Sapa tiveram a sua origem em Ranholas em 1756, momento que terá marcado o início da produção industrial de queijadas, com uma produção diária de vinte dúzias, vendidas aos fidalgos que se dirigiam a Sintra.

Em 1887 o comboio a vapor chegou à Estefânia e Ranholas deixou de ser a porta privilegiada de entrada em Sintra, devido à chegada do comboio. Desta forma as queijadas de Maria Sapa, mudam-se então para a Volta do Duche, onde desde então e, passando de geração em geração se mantém até hoje, a produção diária das tradicionais queijadas de Sintra." Ler em comércio com história Queijadas da Sapa.

Em Ranholas, viveu Raul Solnado, até existe uma Avenida com o nome deste artista muito próximo desta localidade e este conhecido artista usou a localidade de Ranholas nas suas paródias, ouvir aqui Raul Solnado Exército de Ranholas

Em Ranholas vive também o conhecido ator Rui Mendes.

O primeiro comboio que chegou a Sintra, em 1873, o Larmanjat, entrava por Ranholas onde tinha uma paragem. Em boa hora, a Pousada da Juventude em Sintra, inaugurada este ano, decidiu atribuir o nome de Larmanjat ao seu café restaurante. Larmanjat.

Estou aqui a vaguear pelo passado para chegar à situação actual da localidade de Ranholas. 

Sendo o IC 19 uma das estradas mais movimentadas do país, o fluxo de trânsito que desemboca em Ranholas é brutal e por isso facilmente se transforma em infernal. O limite de velocidade,  visível na foto acima, nunca é cumprido excepto nos congestionamentos de trânsito, infelizmente  é habitual. Os moradores de Ranholas reclamam e bem, por uma segunda travessia de peões, ainda que de pouco sirva, porque é raro os carros pararem na que existe. Os automobilistas têm medo -fundado, diga-se - de serem abalroados se o fizerem.

Aos Domingos, os motoqueiros passam por Ranholas a velocidades bem superiores ao permitido, ultrapassando ( é proibido ultrapassar dentro desta localiadade) vários carros em simultâneo. Os acidentes são frequentes.

A fiscalização  não existe, quer em termos de controlo de velocidade, quer no toca ao desrespeito diário e frequente do trânsito proveniente de Lisboa,  pela sinalização que proíbe a viragem à esquerda em dois entroncamentos existentes em Ranholas. O piso apresenta-se muitas vezes escorregadio com a humidade que é habitual em Sintra aumento o risco de acidente.

Desconheço se se está a estudar alguma solução para o problema do trânsito desta localidade, mas há uma que, sem necessidade de qualquer obra,  aliviaria bastante o trânsito dentro de Ranholas. 

A solução passaria pela eliminação da portagem entre Sintra e Cascais, uma vez que a maioria do trânsito que provem de Lisboa ,  segue na direção de Cascais. Assim escoaria-se-ia o grosso do fluxo de trânsito pela A16 e não por dentro de Ranholas.

Com esta solução, cada veículo proveniente de Lisboa que segue na direção de Cascais faria  menos dois quilómetros por dia,  um para cada lado, para além de descongestionar o trânsito na localidade e, consequentemente a qualidade do ar, a qualidade de vida das pessoas que ali residem, ainda aumentaria a segurança e fluidez rodoviária.

Segundo um estudo sobre o fluxo de trânsito, levado a cabo pelo IMT, nos primeiros 6 meses de 2021, atravessaram diariamente Ranholas, entre 37 mil a 56 mil veículos. Partindo do pressuposto que metade (é muito mais) se dirige na direção de Cascais, teríamos entre 18 a 28 mil veículos diários fora de Ranholas.

Fazendo uma média, cerca de 12 mil veículos deixariam de atravessar Ranholas todos os dias. Estes 12 mil veículos deixariam de fazer os tais 2km a mais diariamente, ou seja menos 24 mil Km.

Cada carro consome aproximadamente 7 litros aos 100km, diariamente teríamos uma poupança de combustível de 1.680 litros, qualquer coisa como 2.856,00 euros  e ainda uma redução de CO2 na ordem dos 38kg. Anulizando estes valores.

  • Poupança de combustível 613.200 litros
  • Poupança no pagamento do combustível 1.042.440,00 Euros
  • Redução da emissão de gases (CO2) 13.870 kg

Neste caso, a inflação, os custos da guerra, os custos para o ambiente, o custo da importação de combustível, já para não falar da segurança e tranquilidade da população de Ranholas, não serão mais importantes que o custo ambiental que recai sobre todos?

Deixo esta mensagem, porque estou de acordo com o Presidente da República, deve-se explicar aos portugueses, o que aí vem, nomeadamente as consequências da inflação, da guerra e da gula financeira, (ah isto de falar da gula financeira não é politicamente correto)  cujo impacto se refletirá negativamente na vida das pessoas.

Entretanto, como não sou Presidente da República, reconheço que não tenho estaleca sequer para poder candidatar-me, limito-me a alertar para o que já cá está e, como nos podemos enganar uns aos outros com uns galardões.

Se Sintra, mesmo com este problema consegue ser um dos 100 destinos mais sustentáveis Sintra destino sustentável, parece-me que a tarefa de querer salvar o planeta uma utopia. 

Até porque o planeta está-se marimbando para nós, porque ele fica, com bom ou mau ambiente, nós é que podemos desparecer.

Nota Posterior à data do post (17/10/2022) - Entretanto leio o artigo, A Batalha do Nosso Futuro, de Diogo Queiroz de Andrade, na revista do Expresso, Edição 2607, de 14 de Outubro de 2002 e fiquei totalmente esclarecido sobre a questão ambiental , na versão de uma corrente de gente rica, denominada "longtermism" e fiquei esclarecido sobre todas as questões ambientais. Sugiro a leitura, mais que não seja, para ficarem a saber como o Mundo dos "influencers" ricos funciona.

 

 

 

02
Jun22

Com a devida vénia


Vagueando

Este texto não é meu, é de Joana Amaral Dias, a quem tiro o chapéu pela frontalidade e verdade do que descreve. 

Efectivamente nas cidades, a de Lisboa com mais impacto pelo número de habitantes e trabalhadores que nela circulam diariamente, o peão deixou de ser respeitado por todos, inclusive por ele próprio, quando se dedica a atravessar ruas e avenidas a fazer gincana no meio do trânsito.

Deixo abaixo o link para o artigo de opinião, cuja leitura recomendo vivamente.

https://www.dn.pt/opiniao/peca-sacrificada-14897696.html?utm_term=Troca+de+imoveis+por+criptomoedas+ganha+adeptos+em+Portugal&utm_campaign=Editorial&utm_source=e-goi&utm_medium=email

 

 

25
Mai22

Trânsito em Sintra


Vagueando

20220525_105823.jpg

De tempos a tempos dedico-me a consultar as edições mais antigas do Jornal de Sintra, algumas do tempo em que nem sequer ainda tinha nascido, como é o caso desta. A notícia acima veio publicada, neste jornal, no número 757, de 01 de Agosto de 1948.

Setenta e quatro anos depois, com a brutal evolução educacional, eis que estrangeiros, supostamente sempre mais respeitadores das regras que nós portugas,  imitam hoje,  os nossos comportamentos de 1948.

20220427_092245_LI.jpg

Isto não quer dizer que os nacionais, residentes ou não, tuk tuk's e afins, não façam o mesmo. Apenas achei interessante, daí ter fotografado, os estrangeiros, que tanto nos criticaram e criticam (ainda me lembro muito bem " do gastar tudo em copos e mulheres") fazerem o mesmo, ao contrário daquilo que fazem nos seus próprios países.

Para além da coincidência de comportamentos, falta de respeito pelos passeios ou passagens de peões, estacionando do lado esquerdo e a ocupar parte da faixa de rodagem, dificultanto o trânsito, coincide também o facto de (infelizmente) a fiscalização policial atualmente também ser escassa, em contraste com a fiscalização regular e intensiva que se faz aos lugares de estacionamento pago, sendo certo que estes lugares, não causam nem insegurança, nem prejudicam a fluidez do tráfego.

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub