Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

03
Dez23

Desafio de Natal


Vagueando

Quando navegamos, seja por onde for, enfrentamos riscos e desafios, uns mais arriscados do que outros. Ao navegar por aqui na Sapo Blogs, descobri este Desafio de Natal dos Lados A e B de José da Xã.

Se por um Lado, digamos A, o desafio não será muito difícil do meu ponto de vista, por outro lado, digamos B, o importante é fazer algo que seja do agrado de quem nos vai ler/ver e isso já não é tarefa fácil.

Divagações à parte, esgueirei-me por esta casinha com muito esforço, é muito pequenina, tive que recorrer ao WinZip, para me comprimir e lá consegui entrar.

20231202_175529.jpg

Lá dentro contaram-me uma histórias, afirmando que o Natal tinha chegado, blá, blá, blá e que eu deveria ir dar uma volta pelas ruas para ver as iluminações e a alegria que transbordava dos rostos das crianças.

A coisa estava animada, também ouvia barulho cá fora, fui à janela e reparei que havia luzes acessas em várias casas, aproveitei fiz uma foto miniatura. 

20231202_180032.jpg

Que havia animação havia, se era Natal ou não é que eu não tinha tanta certeza.

Os habitantes da casa só me diziam vai lá fora dar uma volta e vais ver que ficas convencido de que estamos no Natal.

Agora só sabia que estava cansado e que queria ir dormir, amanhã logo sairia à rua para ver se as iluminações de Natal já existiam ou não.

No dia seguinte, para descomprimir, ou seja voltar ao meu tamanho normal, resolvi ir dar uma volta pela vila para me certificar da chegada do Natal.

Vou andando, se calhar por ir distraído ou pela dor nas cruzes (isto de estar comprimido umas horas deixa mossa), não me apercebo de nada de especia.

Avanço até ao alto da rua e ali mesmo apercebo-me de  luzes de Natal montadas, mas apagadas.

Afinal sempre me falaram verdade, as iluminações de Natal estavam montadas e ontem à noite foram acesas pela primeira vez e eu que perdi o espectáculo. Hoje ainda que me tenha levantado cedo, já era demasiado tarde para ver as luzes acesas.

20231203_075443.jpg

 

 

19
Set22

Encontro de raridades em Sintra e um fenómeno


Vagueando

 

Sintra é conhecida, mesmo em pleno Verão, pelo seu microclima, nevoeiro, frio, humidade, chuva e vento, em especial de manhã e nos finais de tarde.

Talvez por isso, muitos espetáculos ao ar livre são cancelados devido a este microclima.

Contudo, tal como apregoavam os cauteleiros antigamente (agora as cautelas até já nos são impingidas nos balcão dos CTT) há horas de sorte e ontem, em Monserrate, não foi só uma hora de sorte, foi um final de dia fantástico.

Isto porque;

  • A temperatura estava excelente.
  • Não havia nevoeiro.
  • A despedida do Sol foi incrivelmente bela.
  • Não estava vento, nem sequer uma brisa.
  • O Teor de humidade era baixo.
  • A luz estava fantástica, a chuva caída na semana passada limpou toda a poeira do ar, aumentando a qualidade dos raios solares em todo o parque.
  • Esteve presente o fenómeno do piano - Mário Laginha - que acrescentou à beleza paisagística do anfiteatro relvado de Monserrate, a beleza musical .

Sintra é sempre uma descoberta, até para mim, residente há 64 anos, nunca tinha visitado o parque no final do dia e ainda por cima nestas condições.

Porque se trata de uma raridade, partilho convosco as fotos do evento.

https://photos.app.goo.gl/inAbWAbAP1YvdaK2A

 

04
Ago20

Sintra, mais uma vez.


Vagueando

A maioria do visitantes que chegam a Sintra, chegam tarde (ainda que de manhã) e partem cedo. Chegam, almoçam, dão uma volta, por um ou dois monumentos, comem umas queijadas ou travesseiros e seguem.

O que proponho hoje, na senda da minha viagem, postada aqui em 24 de Junho sob o título "Menos de 1km", pode ler aqui, (https://classeaparte.blogs.sapo.pt/menos-de-1km-12316?tc=46576499233) para voltar a fazer o mesmo percurso, mais ou menos à mesma hora.

Isto para dizer o seguinte aos viajantes que visitam Sintra;

  • Os que chegam tarde, ganham a manhã na caminha mas perdem o sossego, o nevoeiro e assim não podem comprovar como a paisagem é tão diferente.

 

  • Os que abalam cedo, também não podem comparar o que viram com o veriam se tivessem ficado mais um pouco e se deslocassem a pé pelas ruas e caminhos mais estreitos, alguns onde os carros são proibidos ou só circulam num sentido, mas que pouca gente utiliza, excepto os moradores.

Dedico hoje estas fotos aos que abalam cedo e, qualquer dia, volto aqui a publicar umas fotos para aqueles que chegam tarde.

Aqui fica o link para as fotos

https://photos.app.goo.gl/whGdJEepZyeDnaNe6

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub