Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

06
Out22

Coação?


Vagueando

Há alguns dias visitei uma empresa para me prestar um serviço que, dentro sua especialidade, é corrente, vulgar, habitual, ou seja não era nada de complicado e faz parte das tarefas diárias e rotineiras dessa empresa.

Depois de prestado o serviço, efetuei o pagamento e o funcionário disse-me que iria ser contatado por telefone, para avaliar a qualidade do serviço, pelo que se tivesse ficado satisfeito deveria dar uma "nota" de 9 ou 10 numa escala de 0 a 10.

Achei estranho, por não fazer sentido este tipo de "pedido/sugestão" mas não liguei mais ao assunto.

No dia 4, esse mesmo funcionário envia-me a mensagem abaixo,  via Whats App.

Screenshot_20221006-095358_WhatsApp (2).jpg

Não me parece honesto, nem comercialmente aceitável que uma empresa use este tipo de práticas, nomeadamente porque, ao dar-me instruções para hipótese de eu estar satisfeito, está ela própria a definir ou a condicionar o meu grau de satisfação.

Ao não colocar a hipótese de eu ter ficado insatisfeito, a empresa deixa ao meu livre arbítrio dar a "nota" 0 a 1 ou ao não fazê--lo está desde logo a colocar de parte essa possibilidade?

O setor privado, defende que só a implementação de políticas de meritocracia, de satisfação do cliente, permitem atuar de forma justa na progressão dos seus funcionários, premiando-os ou não e atribuindo-lhes um salário em conformidade com o seu desempenho, servindo-se destas classificações.

Imaginemos por momentos que um funcionário público, com conhecimento ou não do seu patrão Estado, enviava este tipo de  mensagem  às pessoas a quem prestavam um serviço.

Acredito que seria, nas redes sociais e nos média, coação e um lindo serviço!

Mas isso agora também não interessa nada, porque afinal, o Estado, como mau gestor que é, e só por isso, ainda não aplicou este método,  ainda que possa passar pela cabeça de quem o representa, em cada momento da nossa vida, que  estas avaliações, a julgar pelo exemplo, são uma bela treta.

Antigamente, sem redes sociais, sem avalições, sem questionários, sem telemóveis, o boca a boca funcionava mesmo bem, sem favores e sem complicações.

Nota final: Quando refiro Estado, não me estou a falar de partidos políticos, mas apenas e só ao conceito que representa a palavra.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub