Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

05
Mar22

Sinistralidade autorizada


Vagueando

Recentemente o ACP lançou um vídeo, (ver aqui Video ACP) onde se aborda a situação das zonas 30.

A grande conclusão a tirar do filme é que em matéria de segurança rodoviária, se legisla bem e se fiscaliza mal, ou melhor, pelo menos dentro das cidades, não se fiscaliza.

Neste filme é possível constatar que nestas vias e ao que parece são poucas, só no ano passado, em que a circulação de pessoas foi fortemente condicionada pela pandemia,  registaram-se 16 mil acidentes e 119 mortos.

No video, a Dr Luísa Salgueiro, Presidente da Associação Nacional de Municípios, refere que nunca haverá fiscalização suficiente (o que é diferente de não existir nenhuma) e que haveria vantagens em clarificar a forma de como, para além da sinalização exigível pelo Código da Estrada, se uniformizasse outros elementos identificadores, como por exemplo o tipo de piso ou a cor do mesmo, para que não existam diferentes interpretações nem diferentes utilizações nestas vias.

30.pngDesculpa à parte, fica claro que a placa G4a (á esquerda)  - que cria este tipo de zona: indica a entrada numa zona 30km/h em que são aplicados dispositivos de acalmia de tráfego (para os mais distraídos) de modo a limitar a velocidade máxima de circulação a 30 km/h, cujo sinal de proibição, há muito que é conhecido dos automobilistas.

Independentemente do que vier a ser feito no futuro, a partir do momento em que se sinaliza o limite de velocidade é 30km/h é porque se reconhece que o mesmo é necessário, pelo que também é necessário fazê-lo cumprir para que não ocorram, só num ano, 16 mil acidentes num ano, muito menos 119 mortos.

Não vejo como a Presidente da ANM se “desculpa” com a falta de Polícia Municipal nalguns municípios ou com outras incapacidades para fiscalizar estas zonas, quando estes investiram em pessoal, formação e certificação dos seus fiscais, para que possam fiscalizar e multar veículos bem estacionados, na medida em que não prejudicam a fluidez nem a segurança do trânsito, mas que o Código da Estrada considerou oportuno incluir nos seus artigos, para assegurar a rotatividade dos lugares em zonas mais movimentadas.

Contudo, infelizmente, as autarquias viram nesta regulamentação do Código da Estrada um negócio, ao ponto de chegarem a explorar lugares pagos em contravenção com o mesmo Código da Estrada. Tenho vários exemplos que assinalei a autarquias e empresas de estacionamento municipal, que reconheceram o incumprimento e removeram os lugares e também tenho exemplos de autarquias e empresas de estacionamento municipal, perante este facto, optaram por ignorar o incumprimento e manter os lugares.

E foi este negócio que moveu as autarquias a servir-se do código da estrada, nomeadamente da alínea h) do Artigo 25º, que proíbe o parqueamento nas zonas de estacionamento de duração limitada, quando não for cumprido o respetivo regulamento e a alínea c) do artigo 163º , que considera abusivo ou indevido um veículo, em zona de estacionamento condicionado sem proceder ao pagamento de taxa ou se tiverem decorrido duas horas para além do período de tempo pago.

A Dr Luisa Salgueiro saberá que em Lisboa, onde existe Polícia Municipal e onde existem cinco zonas 30, bicicletas eléctricas a circular nos passeios, então agora com a febre da Glovo e Uber eats a entregar comida ao domicílio é perfeitamente normal trotinetas a circular em cima dos passeios,  é normal levarem duas pessoas e também é normal tudos isto se passar por vezes passar em frente a agentes da Polícia Municipal sem que nada aconteça.

Em Sintra, onde existe Polícia Municipal, foram criadas zonas proibidas a veículos de animação turística mas fiscalização não se vê e nem os operadores sentem qualquer tipo de repressão, caso contrário não circulariam, diariamente, e com tanta frequência nestes locais.

Lamentavelmente, as autarquias, na pessoa dos seus representantes, fazem vista grossa ao Código da Estrada para defender a segurança de pessoas e bens como ficou claro neste vídeo do ACP.

Assim sendo não se estranha a ocorrência de tantos acidentes.

Estranha-se sim o alheamento da comunicação social e de outros organismos, por exemplo a ACA-M Associação de Cidadãos Automobilizados que tanto eco têm dado ao acidente que infelizmente vitimou um trabalhador na A6 e até se constituiu assistente no processo, por considerar que ocorreu um homicídio por negligencia e se negligencia a ocorrência de 119 mortos em zona habitacionais.

Não haverá nestes acidentes, negligência de ninguém?

Ou ficamos apenas e só, como é costume dizer-se; É a vida, neste caso a morte para 119 pessoas.

Deixo alguns exemplos nas fotos abaixo do sentimento de impunidade decorrente da falta de fiscalização. O desespero leva residentes a colocar nas suas portas, de acesso às suas habitações, sinais de estacionamento proibido e mesmo assim não se respeita, estacionamento em cima de passadeiras de peões, entrada em ruas de sentido único em contramão para estacionar, sendo que algumas destas situações ocorrem a menos de 50 metros de um posto da GNR.

 

14
Nov20

Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada


Vagueando

Domingo, 15 de Novembro, dia mundial em memória das vítimas na Estrada.

Numa altura em que se fala de mortes todos os dias, por causa de uma pandemia, à qual não podemos fugir e sobre a qual toda a gente opina como se tivesse uma receita comprovada ao longo do tempo, para evitar a contaminação, pouca gente se interessa sobre estas mortes, embora a sinistralidade rodoviária seja estuda há muito tempo.

Não faz parte, das redes sociais, não faz parte das notícias diárias a não ser para anunciar, com histeria, algum acidente mais grave. Esta mortes não interessam às televisões nem aos jornais da especialidade embora, estes dois últimos meios de comunicação tenham programas e tiragens semanais sobre o desporto automóvel, sobre novos carros, sobre carros clássicos, mas nada, com a mesma intensidade e destaque, sobre como conduzir em segurança.

Cada vez que se fala de acidentes, destaca-se a velocidade excessiva ou acima dos limites legais, como a causa. Contudo, a velocidade excessiva ou acima dos limites legais, nem sempre são a causa, contribuem decisivamente, para um agravamento das consequências.

Ao assinalar-se este dia, destacando-se as 6.880 vítimas mortais, nos últimos 10 anos devido a acidentes na estrada, não se fugiu à regra. A PSP referiu que uma das principais causas da sinistralidade rodoviária é a velocidade excessiva, altamente potenciadora de ferimentos e danos graves.

A sinistralidade rodoviária nem sempre decorre da velocidade excessiva mas potencia a possibilidade de ocorrência de ferimentos e danos graves.

E, neste sentido, vejo muitos controlos de velocidade, gasta-se muitos fundos na aquisição de dispositivos de controlo de velocidade e frequentemente ouve-se nas rádios e televisões a necessidade de intensificar a fiscalização do controlo da velocidade em locais propensos a acidentes de viação.

A primeira coisa que faz sentido é perceber a razão pela qual num determinado local ocorrem mais acidentes e, não se pode concluir que decorrem só porque circula em excesso de velocidade, porque, se isso acontece é porque a via está mal desenhada, não está devidamente sinalizada, não tem condições para suportar todo o tráfego que nela circula, serve de trânsito a peões sem condições adequadas para os mesmos circularem, é usada para estacionamento que reduz a faixa de rodagem, etc.

Já não é a primeira vez que vejo, em zonas industriais, veículos pesados a fazer cargas e descargas nas vias de acesso, algumas com duas faixas de rodagem, sendo que uma delas fica ocupada com estas operações. Como é possível, nos dias de hoje, projetar-se zonas industriais onde as empresas residentes , não dispõem de espaço para que as suas mercadorias possam ser carregadas dentro das suas instalações?

Por outro lado, cada vez mais se descura infrações frequentemente cometidas, por exemplo não sinalizar as mudanças de direção, que provocam acidentes e constrangimentos importantes na fluidez do tráfego.

Quem nunca ficou à espera num entroncamento ou rotunda, bastante movimentada, para entrar numa via e, alguém resolve sair dela sem sinalizar essa manobra, deixando-nos desesperados, porque perdemos uma oportunidade de entrar. Alguém tem uma ideia da dimensão dos engarrafamentos que provoca com este comportamento?

Outra coisa que não percebo é que quando há nevoeiro, não há autoridades nas estradas e são muitos os automobilistas que insistem em circular de luzes desligadas nestas condições, sendo certo que ocorrem, frequentemente, acidentes nestas condições alguns de gravidade elevada.

 Porque os acidentes mais graves não são reconstituídos nas Televisões de modo a explicar o que o provocou, e que medidas podiam ter evitado esse acidente. Na National Geographic, analisa-se os acidentes aéreos e explica-se o que correu mal e o que foi feito para que o acidente não se repita.

Será assim tão difícil as marcas, as televisões, as seguradoras, as autoridades, os jornais da especialidade, os pilotos do desporto automóvel, unirem-se e arranjar fundos para colocar no ar um programa semanal sobre segurança na condução, passar exemplos de transgressões, de más condutas, de reconstituição de acidentes, para servir de exemplo e de modelo para que tal não se repetisse?

Deixo aqui a minha sugestão.

30
Dez18

Sinistralidade ou Irresponsabilidade


Vagueando

QUESTÃO

Data Inquérito

 

Em 2017 teve alguma multa de trânsito

22/12/2018

%

Sim, e paguei

1905

17%

Sim, mas ignorei

331

3%

Não, mas houve vários motivos para ser multado

1873

17%

Não, mas também não fiz nada que justificasse multa

6817

62%

 

10926

 

QUESTÃO

Data Inquérito

 

Em 6 dias de operação Natal Tranquilo houve 15 mortos nas estradas portuguesas. Qual o erro que mais vezes comete ao conduzir?

27/12/2018

%

Ando com excesso de velocidade

2437

19%

Uso o telemóvel enquanto conduzo

1202

9%

Conduzo depois de beber álcool

407

3%

Conduzo com sono

576

4%

Arrisco um bocado nas ultrapassagens e em outras manobras

576

4%

Irrito-me quando há muito trânsito e não adequo a condução a essa circunstância

684

5%

Outro

1197

9%

Eu ando sempre bem, o problema são os outros

5919

46%

 

12998

 

 

Realizou o portal Sapo, em 22 e 27 de Dezembro passado, dois inquéritos (quadros acima) relacionados com o cumprimento ou não do Código da Estrada (CE), ao qual responderam 23.924 leitores.

Numa altura em que estamos ainda a digerir o fracasso da Operação Natal Tranquilo e Operação Ano Novo, os resultados destes inquéritos vieram, mais uma vez, confirmar que mesmo sem a ocorrência de chuva, neve ou nevoeiro, ou seja as chamadas condições adversas, quão péssimos são os portugueses a conduzir.

As respostas indicam que a esmagadora maioria dos portugueses, não só acha que cumpre fielmente o CE, como também considera que o problema da sinistralidade deriva do comportamento dos outros condutores.

Faz-me lembrar aquela anedota (infelizmente tantas vezes real) em que o indivíduo que segue em contramão em plena AE, acha que todos os outros é que vão mal.

Os resultados dos inquéritos não são surpreendentes. Apenas revelam que a maioria dos condutores não tem a mais pálida ideia das regras do CE, sendo surpreendente, isso sim, como, nesta imensa ignorância das regras, não ocorrem ainda mais acidentes.

Infelizmente as Escolas de Condução não ensinam a conduzir um automóvel, nem os perigos que isso representa. Ensinam sim, como fazer andar um carro, a prática vem depois, com o tempo. Se, com o tempo vier uma ou mais, más práticas, ninguém as vai corrigir, até ao dia em que as estatísticas acrescentam mais um acidente à lista.

E este desconhecimento das regras, não deriva só do (mau) ensino da condução e da iliteracia de muitos dos condutores relativamente ao CE, que aprendem a empinar para fazer o teste, mas sem nunca perceber o que está subjacente a cada resposta que acertam. Está também em causa o facto de as autoridades repisarem sempre as mesmas infrações; Falar ao telemóvel, o excesso de velocidade e o excesso de álcool no sangue, que, embora sendo infrações muito graves, nem sempre são a causa directa dos acidentes.

A falta da percepção do risco associado à condução é assustador, a falta de atenção na condução é sistemática, o desrespeito pelo código é prática corrente e, pior, na maior parte das vezes quem as pratica, nem tem a noção que infringiu qualquer regra do CE.

Eis alguns exemplos do que refiro;

Falta de percepção do risco – Frequentemente vê-se automobilistas que circulam em dias de chuva e nevoeiro com luzes apagadas. Será que têm consciência de que assim não são vistos e isso constitui um enorme perigo para a sua integridade física, para não falar na dos outros?

Falta de atenção – Milhares de manobras de mudança de direcção são realizadas diariamente sem que sejam devidamente assinaladas. Os automobilistas estão conscientes do risco que isso acarreta e os constrangimentos que isso causa à fluidez do tráfego? Será que não sabem que as regras do Código da Estrada se destinam a assegurar a segurança, mas também a fluidez do tráfego? Quem nunca ficou parado num entroncamento devido ao trânsito existente, o qual sai à direita, sem sinalizar essa manobra e que se tivessem dado essa indicação teríamos entrado sem qualquer problema? Quando estiver numa fila demorada, lembre-se que uma das razões da demora, pode residir nesta falta de respeito.

Junto a cada entroncamento nas vias rápidas e AE existem linhas mistas, uma contínua e outra descontínua, sendo que as mesmas se destinam a evitar, por exemplo que quem segue na faixa da esquerda ou do meio, não possa sair no entroncamento tarde de mais e assim colocar em risco que circula na faixa da direita. O desrespeito por esta linha contínua é tão banal como beber um café e acredito que muitos nem se apercebam da sua presença e do que significa.

Falta de respeito pelo Código da Estrada – Reiteradamente se circula colado ao carro da frente, muitas vezes o carro da frente é uma daquelas carrinhas de caixa fechada, ou seja, não se vê um palmo à frente do nariz e mesmo assim segue-se colado, muitas vezes a velocidades altas sem o mínimo de visibilidade.

Uma das regras básicas do CE, é que a circulação se faz pela via direita e no caso das vias rápidas e AE, pela via mais à direita. Esta regra está para o CE, como o abecedário e a tabuada estão para a Instrução Primária. Ainda não percebi porque se insiste em circular na via do meio ou à esquerda quando não há trânsito à direita. Contudo, já percebi das conversas que vou explorando com outros automobilistas, a ideia é, se não há trânsito porque não posso circular ao meio. A minha pergunta é, se não há trânsito porque não circular à direita. Nunca obtive uma resposta aceitável.

Em resumo, com todos estes problemas, considero que o número de acidentes até é baixo. Ao que parece porque a Nossa Senhora de Fátima e/ou todas as outras, ainda fazem milagres nas estradas portuguesas.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub