Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

08
Dez20

Talvez seja um Conto de Natal


Vagueando

Aqui vos conto o conto possível deste Natal, contando que seja a primeira e última vez que passo por esta pandémica celebração de Natal.

O ano passado, andava eu a vaguear num conto de Natal (1) pelo espaço sideral , fui obrigado a lá ficar longos meses devido ao cancelamento dos voos espaciais, motivado pela pandemia de Covid 19 que se abateu sobre a terra, mas que não chegou ao espaço.

Alguns meus companheiros estiveram na missão de reposição das estrelas nos seus devidos lugares e a reorganizar a via láctea, depois do sucesso que foi se terem unido para fazer uma gigantesca e espacial iluminação de Natal. Contudo, a mim coube-me a fava e fiquei confinado no escritório da Estacão Espacial “Christmas Lighting 2020”a programar toda logística de regresso à Terra, bem mais chato, trabalhoso, moroso e sujeito a todo o tipo de críticas, do que realinhar todas as estrelas do Universo.

Com tudo isto perdi a noção de tempo terreste.

Acabei de chegar à Terra onde, devido ao space jet lag, ainda não sei se tenho os pés bem assentes na dita.

Chego a casa e antes mesmo de entrar, passo pela minha árvore de estimação, o azevinho. Constato que está de boa saúde.

20201208_155938.jpg

Entro em casa, cumprimento a família que me recebe de braços abertos, mas com máscara na cara. A minha cadela vem de rompante, salta e deita-me ao chão.

Que seria eu sem ela?

Meio atordoado reparo na árvore de Natal montada na sala, com as luzinhas a piscar e perante o meu ar estupefacto, a minha mulher diz-me; É Natal, qual é o espanto? Bem, o espanto é que eu estava habituado a que fosse o meu azevinho a anunciar-me o Natal, que era sempre na altura em que as suas bagas ficavam vermelhas, fazendo um contraste lindíssimo com o estonteante verde das suas espinhosas folhas. Portanto, se o azevinho não tem bagas não é Natal.

Pois homem, não sei o que se passa, mas isto cá pela Terra está tudo muito estranho desde que começou esta coisa da pandemia. Está tudo triste, não podemos estar com ninguém, não podemos ver ninguém, não podemos ir comprar prendas de Natal e acho que o azevinho interiorizou este sentimento tão humano de tristeza e, vai daí, não deu bagas.

Lá na Estação Espacial íamos tendo notícias sobre o que se passava na Terra mas como não possuíamos acesso ao Whats App, Facebook, Instagram, Tik Tok, não tínhamos a percepção real do que se passava cá em baixo.

Fui de novo ter com o azevinho, não falei com ele, mas fiquei a observa-lo a tentar perceber. Seria que o tempo meteorológico não lhe correu de feição, ou terá feito mal as contas desde a última floração, terão as bagas caído ou fugido com medo? Ou se pura e simplesmente o azevinho, este ano, deu-lhe um amoque.

Não obtive resposta. Como posso celebrar o Natal se o meu azevinho se recusou a celebrar. O meu azevinho, resistente, às agruras da natureza, como o frio, o vento, a chuva, este ano, armou em grevista e disse não à produção dos seus frutos.

Daí que, não havendo Natal o que há é uma espécie de Natal, resguardo-me também e fico por aqui no conto ou nesta espécie, absurda, de conto.

No entanto, para todos, pandemia à parte, um Bom Natal e que o ano de 2021 nos restitua a liberdade e a alegria.

 

(1) https://classeaparte.blogs.sapo.pt/o-meu-conto-de-natal-7583

 

07
Dez20

30 dias, 30 imagens, um sonho, uma realidade


Vagueando

Imaginemos que todos os dias recordávamos algo que vivenciámos de forma agradável.

Foi o que fiz durante todo o mês de Novembro. Ao longo do mês escolhi, todos os dias uma foto de locais onde estive, com o objectivo de construir uma história à volta delas, que pode ou não, fazer sentido.

No início de Dezembro, comecei a olhar para aquelas fotos e, ao fim de algum tempo, lá nasceu qualquer coisa.

Se quiserem podem abrir todas as fotos no link abaixo e acompanhá-las com a leitura.

https://photos.app.goo.gl/ZY5R3JxC9NqREcqcA

Viajem comigo, se tiverem paciência, pelas imagens, todas recolhidas em Portugal entre 2015 e 2020, algures entre a Serra da Estrela e o Alentejo, bem como Sintra.

Sujeito ao escrutínio do leitor avaliar o quão reconfortante e enérgico é subir ao alto de uma serra para ver nascer o Sol. A espera pode parecer monótona, haver até uma sensação de frustração. Contudo, quando o Sol desponta, apercebemo-nos que nasceu mais cedo para nós só para compensar o nosso esforço.

A brisa fresca começa a ser temperada pelo ténue calor que a gigantesca luz proporciona. A rápida mutação das cores, o movimento da vegetação e das pessoas parece surreal, só comparável a um bailado sem coreografia, em que o movimento sem regras é tudo e só isso, ar puro, luz natural e liberdade total.

Já mais despertos e revigorados, com o Sol já alto, vamos caminhando em direcção a lado nenhum, encontramos uma casa abandonada que nos segreda que precisa calor humano. Não que lhe falte calor, falta-lhe movimento e gente. O Sol quando nasce é para todos, inclusivé para as casas que agradecem o calor e algumas, mais calorentas procuram estar próximo da água e deixaram-se seduzir por um relvado em cima do seu telhado, bem plantado pela engenharia, da natureza.

P5190223.JPGSubimos de novo a outra montanha, está nublada e gélida. Não obstante, uma nuvem cool, deixa passar a réstia de Sol que acerta no único pedaço de neve que ainda resistia, fazendo a sua brancura sobressair no meio do castanho pedregoso.

P8090718.JPGJuntamo-nos de novo, para ir a lado nenhum, mas em contraluz para a fotografia, um a um, todos em pose e em posse das faculdades psico-motoras que nos hão de levar a outros locais onde, eventualmente, não pararemos, contemplaremos em andamento lento, não nos cansemos.

 

Deito-me ao nível do chão para ver fugir os que já lá vão, dou de caras com um cão que não fez ão, ão, apenas me deitou a língua de fora e disse; Afasta-te estou à espera da minha ração. Até eu comia uma ração de combate se a tivesse, mas não disse nada ao cão. Os cães não gostam ser incomodados quando comem.

Viro-me de barriga para cima vejo o céu e uma erva azeda, desoriento-me, viro-me de novo, agora de lado, à procura dos outros que seguiram pela vereda, mas a minha visão esbarra num lago, estou perdido.

Levanto-me, recomponho-me e sigo, pé ante pé, retomo o caminho, qual caminho? Nem eu sei. Só sei que estou ali sozinho, entre o céu e a terra e o bendito caminho. Caminho, caminho, caminho, até o sol fugir.

Acordo, estava a sonhar, na caminha!

Não sei que horas são, nem quero saber, vou correr atrás do sonho, corro o risco de me perder, agora a sério, mas tem que ser.

Levanto-me confuso mas com prazer, saio a correr.

Sintra espera-me.

Gosto de ver gente, mas não gosto de estar com muita gente, nem no meio de muita gente, não há gente na rua, que raio, mas é de dia. Onde é que se enfiou toda a gente.

Estou doente, dormente, demente

A cabeça está oca, o corpo não sente

Tenho medo de deixar de ser gente

E que o corpo já não se aguente

Ainda não sei que horas são, estou perdido entre sonho e a realidade, mas é mesmo de dia, não é verdade?

Tinha-me esquecido, estamos no meio, a menos de meio ou a mais de meio, de uma pandemia. 

Não há gente, não há movimento a não ser o da terra em torno do Sol que no-lo trás todos os dias indiferente ao que gente, crente ou descrente, sente.

 

Vagueio por Sintra, vejo cafés, hotéis, monumentos, escadas e arruamentos sempre sem gente.

Está tudo igual, mas tudo tão diferente, que nem acredito que ali estou, no meio da estrada a olhar para uma paragem de autocarro sem passageiros à espera, quando antes se amontoavam e desesperavam com o muito trânsito que lhes atrasava o transporte. Sintonizo o meu olhar para tentar descobrir algo que nunca vi e vi, uma árvore esburacada que me faz lembrar uma gruta. Pareceu-me ver lá dentro um duende. Olho para as outras estão alinhadas a receber o resto do sol do dia.

Faço mais um esforço e descubro que é Natal, a árvore que o anuncia está ali em frente ao Palácio Nacional, é um dejá vu desta vez estranho porque é mesmo estranho.

20201203_140810.jpg

Procuro outro ângulo de visão e encontro, descubro o Castelo debaixo daquela árvore de Natal, artificial, tempo esquisito este, ouvi dizer que é o novo normal.

PC190496.JPG

Ando por ali perdido no meio de tanta falta de gente, perdi as minhas referências, caminho e esbarro numa corda que parece suspensa no céu. Belisco-me, estou acordado, acho eu.

Fico por ali a pensar se devo subir – será que mereço – ou resistir.

Olho mais uma vez, não há gente, mas vou esperar mais um pouco, talvez ainda não seja ainda a minha vez que, seguramente, há de vir.

Feliz Natal

25
Nov20

Capela de S.Lázaro


Vagueando

Parece impossível mas aconteceu.

Há umas semanas atrás andava a deambular por Sintra com a minha mulher e um amigo, coisa que faço com muita frequência e ele perguntou-me se conhecia a Capela de S. Lázaro. Disse-lhe que sim e que até estávamos muito perto. Fizemos um pequeno desvio ao percurso inicialmente previsto e fomos até lá.

Entretanto fui-lhe contando o pouco que sabia sobre a capela, nomeadamente que por volta de 2012 o proprietário de uma habitação contígua, tinha tentado apoderar-se do espaço onde a capela está inserida mas que um movimento cívico para a Defesa do Largo e da Capela de S. Lázaro http://sintradeambulada.blogspot.com/2013/10/o-movimento-civico-para-defesa-do-largo.html se tinha oposto, conseguindo que a mesma ficasse sob domínio público.

Também lhe referi que, pese embora seja residente em Sintra desde que nasci, nunca lá tinha entrado porque estava sempre fechada.

Para minha surpresa e satisfação do meu amigo, naquele dia estava aberta.

Fiquei naturalmente contente por, finalmente, poder entrar naquela capela. De permeio fiquei a saber que na sequência da vitória do movimento cívico acima referido, a capela passou a estar aberta ao público e que em 13 de Setembro de 2013 foi descerrada a placa toponímia no Largo da Capela de S. Lázaro (aprovada em reunião de Câmara de 26 de Junho de 2013).

Ao ler a história do monumento que se encontra no seu interior, saltei, não sei como, para o Século XV. Foi uma sensação momentânea, estranha, senti-me o Tomás Noronha, dos romances de José Rodrigues dos Santos.

Recuperei rapidamente e regressei ao tempo actual.

Não obstante, o rodopio cerebral não parava e senti que estava presente, simultaneamente, no Século XV e na actualidade. É que a Capela, logo à entrada, possui duas pequenas janelas, uma de cada lado, que permitiam que os gafos (portadores de lepra, doença altamente contagiosa), pudessem assistir ao culto, do lado de fora, sem entrar em contacto com os fiéis. Fiquei ali preso, hipnotizado por aquelas janelas, confuso, sem saber onde realmente estava; algures em 1500 ou em 2020?

Só podia estar em 1500 porque actualmente, com tanto avanço científico, tecnológico, tanta inovação, start ups e apps, não podemos estar a viver uma situação pandémica tão grave, com medidas de confinamento iguais às medievais, tinha que ser muito diferente.

O som da sirene dos bombeiros a assinalar as 13h trouxe-me de volta à realidade.

Estamos em pleno Século XXI, a viver uma pandemia e eu estou a vive-la bem perto do local onde, no Século XV, existia uma Gafaria, S.Pedro de Penaferrim, a qual circunscrevia dentro de uma área protegida os leprosos que estava proibidos de contactar com o resto da população.

Actualmente em S. Pedro de Penaferrim, restam poucos vestígios da gafaria.

Contudo, recentemente, em 2016, https://sintranoticias.pt/2016/09/30/achados-arqueologicos-sao-pedro-sintra-obra-dos-smas/ foram descobertos túmulos nas proximidades da Capela, o que faz crer na existência de um cemitério nas imediações.

Abaixo deixo o link para umas fotos da Capela, tiradas durante esta visita, bem como outro link para a página da Direcção Geral do Património Cultural, dedicada a esta Capela, para satisfazer a curiosidade dos eventuais leitores mais interessados em dados históricos.

https://photos.app.goo.gl/FZZmHp5whQwJUnFT9

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/72944

 

06
Nov20

A calçada e a esquina


Vagueando

P4140149 (3).JPG

20201103_150931.jpg

 

Serpenteio pela calçada assim como uma cobra

A pedra é fria para o meu corpo já tão cansado

Busco o Sol que aquela esquina tem de sobra

Estou ainda longe, ofegante, mas determinado

 

Sei que sou capaz, estico-me mais para lá chegar

A beleza não pode fugir assim, sem que se veja

Não, não paro, parar é morrer, vou ter de saltar

Aquele Sol conforta a minha alma que, feliz festeja

 

Rastejo, farejo como um cão o odor do Outono

Uma nuvem chega, faz sombra, tolda-me a retina

Pensei que o Sol tinha ido procurar outro trono

Mas não, ainda há por ali, uma réstia de luz tão fina

 

Sol, não te vás já, este é mesmo o teu lugar

A pedra polida voltou a brilhar com a tua luz

As folhas caídas, andam por aqui a saltitar

Tenho muita inveja delas, tudo isto me seduz

 

Levo comigo o meu cão reaprendi com ele a ouvir

Vê-me como salvador mas é o que ele é para mim

Cheguei, outra sombra também, Sol tinhas de sumir

Enraiveci-me contigo, voltarei de novo, não é o fim

 

Não pode ser fim, porque a vida resiste mesmo que não pareça.

Fica latente, como a semente que sente a terra, a chuva e o sol, noite e dia, até que desponta, desabrocha, cresce e descobre, que nasceu no meio de tanta gente descrente, por causa de uma pandemia.

31
Out20

De Cabeça no Ar


Vagueando

Recorro à primeira letra do alfabeto para a colocar no início da palavra aéreo. A primeira letra do alfabeto inicia a palavra que se refere ao último grande meio de transporte a ser inventado.

Os últimos são os primeiros e, neste caso, é bem verdade.

O Comboio, o Barco a Vapor, o Automóvel surgem por volta de 1800, mas o avião só aparece no Século passado, em 1903 pela mão dos irmãos Wright e por Santos Dumont, já em 1906. Em 1926 deu-se início à aviação comercial. Nasci 31 anos depois, cedo fiquei fascinado por voar e tive a oportunidade de desfrutar de forma pessoal e profissional do boom do transporte aéreo.

Voar passou a ser o meio de transporte mais rápido e seguro de nos deslocarmos. Voar passou a ser também a mais bela forma de viajar. Voar, mesmo para quem usa muito o avião, continua a ser, ainda hoje, uma certa forma de aventura. Voar é, em suma, deixar de ter os pés bem assentes na terra e andar de cabeça no ar.

O meu primeiro voo foi entre Lisboa e o Funchal, na TAP, Boeing 727, entrava-se pela traseira, numa altura em que a pista só tinha 1,6 km de comprimento, aquilo parecia mais uma pequena estrada do que uma pista. Lembro-me perfeitamente de ver a pista antes de aterrar, tão pequena que me pareceu a minha régua de liceu, assente ali no morro de Santa Catarina. Esta pista foi o que se atamancou para ligar, por via aérea, o Continente à ilha da Madeira, tendo o aeroporto sido inaugurado em 1964.

Contudo, a primeira aterragem experimental de um avião na Ilha da Madeira, ocorreu em 1957, justamente o ano em que nasci.

A partir daqui, recordo-me sempre que voo, a frase de Leonardo Da Vinci – Uma vez que tenha experimentado voar, passará a andar pela terra com os seus olhos voltados para o céu, pois já lá esteve e desejará voltar.

No que toca a voar, pode até ser daqui para fora, mas sem nunca perder a vontade de voltar, andei a vaguear pela internet e descobri outras frases interessantes, sobre o tema, pelo que farei referência a algumas neste post.

A romancista brasileira, Tati Bernardi, deixa uma questão muito interessante sobre o medo de voar, perguntando – É mais corajoso quem não tem medo de voar pelo Mundo ou quem aguenta ficar dentro de si? Eu diria que a única coragem de que se precisa para voar é para fazer o percurso de carro até ao aeroporto.

Quando se voa, seja num avião comercial, numa avioneta, num planador ou num helicóptero – falta-me um voo de balão - desfrutamos de imagens irrepetíveis, de vistas deslumbrantes, de sensações únicas e desafiantes, não temos olhos que cheguem para tanta beleza nem cérebro capaz de assimilar tudo o que vê, nem memória que chegue para armazenar tudo o que vimos.

Felizmente, para as questões de memória, há a fotografia.

Caio Fernando Abreu, jornalista e dramaturgo brasileiro referiu – Quando os corpos se tocam as mentes conseguem voar para mais longe que o horizonte.

Quando se voa não estamos para lá do horizonte mas temos muito mais horizonte para desfrutar. Uma pessoa com 1,7 metros de altura conseguirá ter, ao nível do mar, por exemplo na praia, uma visão de quase 5km até à linha do horizonte. Essa mesma pessoa conseguirá, num avião a 33 mil pés, cerca de 10 mil metros de altitude, ter uma visão de cerca de 350 km até ao horizonte. Um pouco acima já consegue vislumbrar, ligeiramente a curvatura da terra. Um boa experiência para os terraplanistas viajarem de avião.

Por outro lado é interessante verificar que a curvatura da terra implica que os aviões não percorram uma linha recta entre o ponto de partida e o ponto de chegada mas sim, a distância ortodrómica. Podem experimentar este site, https://es.distance.to/ usando, por exemplo, a rota entre Lisboa e Tóquio. A distância ortodrómica é de 11.148 km mas rota de avião, como podem comprovar não é a linha recta que une as duas cidades, traçada num simples mapa plano.

Espero que tenham gostado deste voo e que pensem como Clarice Lispector e Filipe Ret que afirmaram, respectivamente; •

  • Você até pode empurrar-me de um penhasco que eu vou dizer; Eu adoro voar. •
  • O medo de cair não pode ser maior que a paixão de voar.

As mihas fotos obtidas a partir de alguns do meus voos e de locais onde cheguei de avião e também de outros voos, no link abaixo;

https://photos.app.goo.gl/32Fo7WnPQUkfsQT69

Lembrem-se de Rita Apoena – A poeira é só a vontade que o chão tem de voar. Sem dúvida que até o chão gosta de voar.

Subscrevo inteiramente o pensamento de Verônica Heiss que não aceita ter nascido num mundo tão grande e conhecer apenas uma pequena parte e termino com Alejandro Jodorowsky – Pássaros criados em gaiola, acreditam que voar é uma doença.

No meio desta doença, uma terrível pandemia que nos atormenta e nos tolhe, estamos cada vez mais na gaiola e cada vez menos a voar, a desfrutar e a observar.

Espero que gostem, das fotos e desejo-vos bons e muitos voos.

10
Mai20

Sinal de Vida


Vagueando

 

Este é o título de um romance de José Rodrigues dos Santos.

A história, apaixonante, começa com a figura de Thomas Quinn, estagiário do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) sedeado, segundo ele, num buraco nos EUA, mais precisamente em Hat Creek (Califórnia), onde está instalado Allan Telescope Array, uma rede de escuta astronómica.

Thomas Quinn estava encarregado de analisar as resmas de folhas diárias contendo os dados captados por 42 antenas que cobriam as frequências de rádio dos 0,5, aos 11,2 gigahertz em busca de vida extraterrestre. Esta rotina diária, estava frustrá-lo ao ponto de ter perdido a fé de encontrar fosse o que fosse.

Até que um dia, um sinal vindo de Tau do Sagitário, na banda de 1,42 gigahertz fez disparar o coração de Thomas Quinn e do seu chefe.

Tinham descoberto um sinal de vida.

Sinal de Vida

Este é o título de um post de Vagueando, que sou eu.

A história, arrepiante, começa no dia 11 de Março do corrente ano, quando Tedros Adhanom Ghebreyesus, nessa malfadada tarde, declarou que o surto do novo coronavírus tinha atingido o nível de pandemia. Nesse dia, juntamente com a minha mulher e um amigo, apanhei um autocarro de Sintra para Mafra, de onde regressei a pé para Sintra. A distância de 28km que já percorri várias vezes, não em busca de qualquer sinal extraterrestre ou divino, mas pelo prazer de caminhar pelo campo onde os sons estão próximos dos captados pelas antenas do Allan Telescope Array, com a vantagem de estarmos perto de tudo e longe de tudo o que chateia, nomeadamente a poluição sonora e do ar.

Já em Nafarros, depois de passarmos junto a vários aldeões que cuidavam do seu pedaço de terra e nos saudavam efusivamente, como se fossemos os seus vizinhos mais próximos e garantiam que por ali não andava vírus nenhum, fizemos uma pausa no União Cultural e Desportivo de Nafarros, onde saboreámos um prego acompanhado de um fino. Ali mesmo, assistimos na TV à declaração da pandemia.

A partir daí foi o pandemónio, que se conhece, fechámo-nos em casa e ficámos todos à espera, tal como o Thomas Quinn, de sinais.

Estes sinais, ainda que dados e explicados por especialistas de toda a espécie, lançavam mais dúvidas do que esclarecimentos.

No final de cada dia, em família e em conversa telefónica com os amigos tentávamos, tal como Thomas Quinn, apanhar um sinal diferente que nos desse conforto, alegria e esperança.

Nada!

Durante estes dois meses, fui mantendo a minha actividade, ou seja andar a pé, à volta de casa, e dei conta de que, mesmo nos locais onde estava habituado a ver multidões, não via qualquer sinal de vida(ver fotos no link abaixo).

https://photos.app.goo.gl/7ud9FPmDpJX9S6VS6

Agora que parece existir algum alívio ou talvez não, nas minhas saídas para fazer exercício, vi um sinal de vida. (foto abaixo)

20200505_175320.jpg

A primeira loja aberta em Sintra após a declaração de pandemia. Só faltam os clientes

A diferença entre o Sinal de Vida de JR Santos e o Sinal de Vida que eu vi, é que a história de JR dos Santos é ficção, embora ele afirme que a informação científica apresentada no romance é verídica e a minha história é real, embora desconheça se a informação científica que fui recebendo ao longo destes dois meses é verdadeira.

Acresce que Thomas Quinn conseguiu descobrir um sinal de vida extraterrestre e eu ando a tentar perceber se na Terra, nomeadamente onde vivo, vamos ter hipótese de voltar a sentir a emoção de estar no ponto G de Portugal, ou seja, “Onde a terra acaba e o mar começa” sem máscara, sem distanciamento social, sem vigilância, vulgo tudo ao molho e fé em Deus.

Gostava de olhar para o precipício do Cabo da Roca e pensar, ainda que queda vá ser grande, recuperaremos antes de bater lá em baixo.

Afinal a Europa acaba ali, mas nós, os portugueses, não deixaremos que ela se esvaia, só por isto, para o Mar.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub