Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

05
Ago20

Três a conta que Deus fez


Vagueando

O número 3 aparece associado a várias situações curiosas.

Por exemplo na literatura infantil ou de aventuras; Os três Porquinhos e Os três Mosqueteiros, são obras sobejamente conhecidas.

O número 3 também aparece em provérbios bem conhecidos; Um é pouco, dois é bom, 3 é demais e não há duas sem três.

Na medicina também é costume o médico mandar-nos dizer 33.

O 3 também tem significado espiritual; Santíssima Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo), o ciclo da vida (nascimento, vida e morte), os 3 Reis Magos, a Ressureição de Jesus ao terceiro dia.

Entre provérbios, histórias de aventuras, contos infantis, medicinas e mezinhas, espiritualidade, a realidade financeira dos últimos tempos também se agarrou ao número 3.

O Novo Banco, também conhecido por Banco bom, para se distinguir do seu pai, o Banco mau, mesmo depois de várias resoluções e inoculação de várias vacinas (injeções de capital) logo ao nascimento para que fosse saudável, parece estar a ficar doente.

O problema é que, tal como o COVID 19 é altamente infeccioso para o cidadão comum, o Novo Banco também parece ser. Com a agravante de que mesmo que nos confinemos, que usemos máscara e fato de protecção e desinfectemos permanente as mãos e façamos questão de manter um grande distanciamento do Banco, somos seguramente, infectados com mais impostos.

O Banco já não é bom nem mau, muito menos assim assim ou assim como assim, já é um Banco Pesadelo.

Não sei se é possível demonstrar matematicamente, através de alguma equação ou fórmula que a limpeza de um Banco Mau resulta num Banco Bom. Mas gostaria que inovação e inteligência artificial construísse um algoritmo que consiguisse tomar as rédeas da gestão e evitar todos estes constrangimentos.

O que é que isto tem a ver com o número 3?

Constatou-se que o Novo Banco vendeu cerca de 5 mil imóveis numa altura em que o mercado imobiliário estava ao rubro. Para o efeito, emprestou o dinheiro necessário a desconhecidos que gerem um Fundo nas Ilhas Caimão.

Isto passou-se nas barbas do Banco de Portugal, supostamente o Banco Polícia, que interveio activamente na separação do Banco Mau e da consequente criação do Banco Bom.

Estes 3 intervenientes, Novo Banco, Fundo Ilhas Caimão e Banco de Portugal, fizeram, ao que parece, tudo dentro de um efectivo quadro legal e regulatório e ainda, muito importante, de acordo com as melhores e boas práticas do sector financeiro. Ou seja e em suma, os três atrás referidos cumpriram com 3 requisitos fundamentais;

Quadro legal

Quadro regulatório

Boas práticas

Ainda o número 3. A partir de Agosto de 2017,a Lei 92/2017, proíbe o pagamento de bens e serviços em numerário, desde que o valor a liquidar seja superior a 3 mil euros. Portanto por uma questão de transparência, combate à fraude, à corrupção e à fuga ao fisco, proíbe-se pagamentos em dinheiro acima de 3 mil euros, assim fica tudo identificado.

Dentro da mesma estrita legalidade pode emprestar-se 300 milhões a desconhecidos.

É legal, é prática corrente, é habitual fazer-se este tipo de transações, usando offshores, está dentro das regras do mercado. Que seja.

O que não pode ser normal é ser o cidadão comum a pagar estas legalidades, estas (boas) práticas e ainda por cima, os gestores receberem prémios de alegada boa gestão por isso.

Se um dia se fizer um filme sobre esta saga, terá que ser uma tragédia, a não ser que algum realizador famoso consiga transformar tudo numa comédia, tal como a realizada por Perdigão Costa que estreou no cinema S. Jorge em Agosto de 1952, com o título Os Três da Vida Airada.

Depois do BPN, do Banif e do BES fica claro que não houve duas sem três, nem à terceira foi de vez, porque o Novo Banco é, para já, nem mais nem menos, mais do mesmo, para os mesmos pagarem, da mesma forma de sempre, afinal não podemos viver acima das nossas possibilidades.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub