Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

03
Mar23

Paragens do Tempo


Vagueando

 Numa altura em que vivemos acelerados, sem tempo para usufruirmos do nosso tempo, lembrei-me daquela velha canção de António Mourão “Ó tempo volta pra trás”.

O tempo não para, mesmo quando o relógio que faz o favor de o medir para nós se atrasa, avaria ou deixa de trabalhar por falta de pilha. Corrigido o atraso, reparada a avaria ou substituída a pilha, acertamo-lo de novo, no tempo certo, que ele perdeu, mas que o tempo não se esqueceu de contabilizar.

O tempo, efetivamente, não volta para trás, não se repete, não vem conferir o que deixou.

Para o tempo, o que lá vai, lá vai.

Corre por aqui, por aí, por ali, por todo o lado, dia e noite, com chuva ou com Sol, com calor ou com frio e nem sei se por vezes, não se ultrapassa a si mesmo, ficando muito à frente do seu tempo.

O tempo, como exemplifica António Mourão na sua canção, não é como o Sol, que volta todos os dias. O tempo lembra ao Sol que o movimento não é seu, é da Terra e esta, também não para e gira sempre na mesma direção.

A voragem do tempo consome todos os dias um pouco da nossa vida que muitas vezes não conseguimos desfrutar por falta dele ou porque ele anda rápido demais para o nosso ritmo.

O tempo faz desaparecer tudo, como se por artes mágicas as coisas de um tempo já passado e longínquo, não tivessem sequer existido.

Hoje procurei sinais do tempo (já idos) e que o tempo ainda não conseguiu apagar e descobri alguns exemplares que continuam resistir ainda hoje ao tempo que já não volta.

Até um dia!

Encontrei as 4 exemplos, todos em Sintra.

20230301_104437.jpg

 

Estas 3 paragens representam o tempo que há muito deixou de existir, o tempo até final de 2022 e o mais recente. São paragens, mas não o tempo nunca para, nem ali.

20230301_104134.jpg

Encontrei um receptor de emails e sms antigos, onde se deixavam mensagens que um tempo depois, que não o imediato, eram entregues mais tarde.

20230301_111302.jpg

Encontrei um telefone dentro de uma casinha onde entrávamos para telefonar a alguém. A casinha e o telefone não cabina no bolso, não eram móveis, éramos nós que nos movíamos à procura de uma quando queríamos, na rua, telefonar a alguém.

20230301_114520.jpg

Encontrei uma placa para identificar uma estrada na altura em que os carros quase não existiam.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub