Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

24
Jul22

As histórias e toponímias que cabem em 692 metros da Rua Albino José Batista - Sintra


Vagueando

Placa Fim da rua.jpg

A Rua Albino José Batista, com 692 metros de comprimento e de largura irregular, inicia-se junto ao Jardim da Vigia e termina na Estrada de Chão de Meninos, junto à Casa das Queijadas do Preto.

A história (possível) sobre esta rua, completa uma trilogia de posts que já escrevi, ligando assim as histórias do Jardim da Vigia Ler aqui  e da Casa das Queijadas do Preto Ler aqui.  Nasceu de uma conversa com D. Carlota, 86 anos, a sua habitante mais velha, residente na mesma há 64 anos, que me disse com a certeza de uma memória fresca e bem viva, que antigamente se chamava Rua Campo do Arrabalde.

Não existe na CM de Sintra qualquer registo sobre a atribuição desta toponímia à rua, ainda que tenham indicado que este topónimo seja anterior a 1969, data a partir da qual estes registo foram organizados.

José Alfredo da Costa Azevedo, ex-presidente da CM Sintra, refere no seu livro Bairros de Sintra, que o comerciante lisboeta com o mesmo nome, residiu nesta rua, sendo que, segundo a D. Carlota, viveu no nº 47, na altura Vila Eliza e atualmente Vila Stª Maria.

Albino José Batista, fundou em 6 de Julho de 1876, uma loja na Rua Nova do Almada, nº 92, razão pela qual lhe atribuiu o nome de Loja 92, especializada em artigos de senhora. Sugiro uma consulta ao blogue Restos de Coleção neste link Albino J Batista

Curioso é o facto do dia da inauguração da loja (dia 6) e nome atribuído à mesma (92), formar o número igual ao comprimento da rua com o seu nome, os tais 692 metros.

Para confirmar a informação dada pela D. Carlota, recorri a documentos da família da minha mulher e de alguns dos moradores, que me deram acesso a escrituras e contribuições prediais dos anos 30 e até mesmo anteriores. Desta consulta conclui que a rua era designada por Campo do Arrabalde ou Sítio do Campo do Arrabalde e também, popularmente por Rua Bairro do Ingleses e que os terrenos que a ladeavam eram conhecidos por Terras de Cima e Terras de Baixo.

Deduzo que a designação oficial seria mesmo Rua Campo do Arrabalde, isto porque a história contada pela D. Carlota parece confirmá-lo; Quando esta necessitou de realizar um acto público que envolvia a sua casa, referiu que se situava na Rua Bairro dos Ingleses, toponímia que não constava oficialmente e que impediu a realização deste ato. Neste sentido, foi obrigada a fazer um novo registo da casa na Rua Campo do Arrabalde.

Num testamento de 1950 de um familiar da minha mulher, faz-se referência a uma casa situada no Campo do Arrabalde (não referia rua) ou Bairro dos Ingleses. Por curiosidade, nesse mesmo testamento, também é referida uma casa na Escadinhas do Arrabalde, as quais, em sessão de Câmara de 16 de Abril de 1955, adotaram a toponímia de Escadinhas da Vigia, sendo que estas Escadinhas começam junto ao Miradouro da Vigia, onde se inicia também a Rua Albino José Batista.

O Arrabalde, começava no Largo Sousa Brandão (local onde existia uma Casa de Cantoneiros, transformada em Posto de Turismo de Sintra) e estendia-se para nascente, abrangendo toda esta zona onde se situa a rua e o jardim.

Há cerca de 7 anos, cruzei-me na rua Albino José Batista, com um casal italiano que me perguntou onde era a Vila Alecrim do Norte. Disse-lhes que não havia nenhuma Vila com este nome, nesta rua.

Perante a sua insistência e convicção inabalável de que estavam certos, tinham viajado propositadamente até Sintra para ver o local, telefonei à minha mulher, nascida nesta rua e perguntei-lhe onde era esta Vila. A resposta foi, para minha vergonha e contentamento do casal, que era muito perto do local onde tinha nascido e pela sua explicação percebi que estávamos mesmo à porta da Vila Alecrim do Norte e, pela primeira vez em muitos anos, reparei que estava lá escrito Vila Alecrim do Norte.

Curioso, perguntei-lhes a razão do seu interesse para viajar de Itália em busca deste local. Referiram-me que leram um livro cujo título era o “Diário de Sintra”, que relata a experiência de 3 jovens ingleses S. Spender, C. Isherwood e W.H.Aunden, que viveram nesta casa ente Dezembro de 1935 e Agosto de 1936.

Efectivamente nos anos 30 e até aos anos 70, viveram nesta rua vários ingleses, nomeadamente na Casa Cerrado da Eira e na Vila Alecrim do Norte, que conviveram com portugueses, alguns dos quais ainda vivos.

No Cerrado da Eira vivia a Srª Enid Mitchell, que manteve com os habitantes portugueses uma excelente relação de amizade e até de solidariedade social, chegando a doar casas a alguns deles, quer nesta rua quer em ruas adjacentes, alguns dos quais ainda as habitam. No alto de S.Pedro, mesmo junto à escola, existia uma taberna conhecida por Carlos Mitchell, dado que o dono, o Sr Carlos, chegou a ser motorista da Sra Mitchell.

Enid Mitchell pintava quadros com motivos de Sintra e foi a mentora de um pintor natural de S.Pedro de Penaferrim, Pinheiro de Santa Maria, que foi viver para os Açores, nos anos 70,  mais precisamente na Ilha Graciosa, infelizmente, falecido já no decorrer de 2022.

Devido à “colónia” de ingleses a viver nesta rua e arredores, conta-se que foi um dinamarquês de nome Anderson, residente na casa conhecida por Achadinha, com acesso quer por esta rua como pela Rua Dr. José Neto Milheiriço, que resolveu “batizar” a rua, com o nome de Rua Bairro dos Ingleses, e terá mesmo colocado uma placa com esta designação.

Não estava mal visto e parecia fazer sentido e não terá havido contestação popular ou eventualmente, dos serviços oficiais, pelo que a designação pegou!

A toponímia não oficial de Rua Bairro dos Ingleses, explica-se então assim.

Nos anos 30, vieram viver para uma casa, alugada pela Srª Mitchell, a Vila Alecrim do Norte, os 3 jovens escritores ingleses, Stephen Spender, Christopher Isherwood e Wystan Hugh Aunden. Este jovens fugiam do preconceito existente em Inglaterra sobre os homossexuais e vieram para Sintra em busca da tranquilidade e inspiração que lhes permitisse escrever obras teatrais e poesia e que mais tarde concretizaram.

Enquanto habitaram esta casa, entre Dezembro de 1935 e Março de 1936, escreveram um diário (Diário de Sintra) que deu origem a um livro, editado em italiano e traduzido para espanhol. Este livro só foi possível após o filho de Stephen Spender, Mattew Spender, radicado em Itália, ter descoberto por volta de 2012, o diário escrito pelo seu pai, enquanto aqui viveu.

Depois da história contada pela D. Carlota, resolvi procurar o livro, o qual, infelizmente não está traduzido para português, e adquiri a versão espanhola.

Ao ler as histórias foi como tivesse visto filme da época, a forma como os ingleses nos viam “os portugueses eram engraçados e simpáticos, dado que em Inglaterra segue-se a tradição de que todos os estrangeiros não o são”, e as tarefas levadas a cabo por estes ingleses, que iam desde a construção de casotas em madeira para acolher a criação de coelhos, à construção de galinheiros para criação de galinhas, à construção de um canil, para além das tarefas de jardinagem e, pelo meio, iam escrevendo, quer o diário, quer outras obras.

C.Isherwood escreve uma carta à sua mãe em Dezembro de 1935, que consta do livro, a relatar que encontraram casa em Sintra, mais precisamente a Vila Alecrim do Norte e chama a atenção da mãe para a morada que segue na carta. Infelizmente, pese embora tenha conseguido contatar Matthew Spender, não foi possível apurar qual a rua ou local que era referido naquela carta.

Segundo o Diário de Sintra, Enid Mitchell terá referido aos jovens ingleses que foi a segunda mulher a tirar a carta de condução em Portugal.

Enid Mitchell, viveu com os pais em Portugal, com o início da guerra vai para Inglaterra servir o seu país como enfermeira regime de voluntariado e regressa a Portugal com o fim da mesma.

Após a morte dos seus pais, vende a casa onde viviam, “O Cerrado da Eira”, a outro inglês o Senhor Shaw e vai viver numa pequena casa que autonomizou do Cerrado da Eira, com uma criada portuguesa, de nome Domingas. Esta casa foi deixada em testamento à sua criada Domingas que, por sua vez, a deixou em testamento a outro habitante de S. Pedro que ainda nela reside.

Quando se dá o 25 de Abril em Portugal, Shaw decide vender "O Cerrado da Eira", que foi comprado pela família Rocha Neves, cujos herdeiros a habitaram até há pouco tempo.

Regressando à toponímia Albino José Batista. Existem mapas camarários, um dos quais editado pela C.M. Sintra em 1978, que relativamente a esta rua, coincide com outro publicado na página 304, do livro de José Alfredo da Costa Azevedo – Bairros de Sintra, que mostram que a rua Albino José Batista, não chegava até à Casa das Queijadas do Preto, onde hoje termina.

Principiava igualmente junto ao Jardim da Vigia, mas terminava no final da Travessa da Boavista. E era esta Travessa da Boavista que ia terminar em Chão de Meninos, junto à Casa das Queijadas do Preto. (ver foto abaixo)

20220721_183959.jpg

A azul a extensão da Rua Albino José Batista no mapa da CMSintra de 1978.

A vermelho a Travessa da Boavista no mesmo mapa

A verde a atual Rua Albino José Batista

Ainda assim, em conversas tidas com alguns residentes das redondezas asseguraram-me que a parte final da rua, ou seja, junto à Casa das Queijadas do Preto, não era a Travessa da Boavista, mas sim Rua do Forno da Cal, dada a existência de um forno mesmo junto ao parque de estacionamento da desta casa de queijadas.

Como já referi acima as pesquisas que efectuei, na CMSintra, Biblioteca Municipal e no Arquivo Histórico da Câmara, não consegui apurar, quando é que foi atribuída a toponímia Albino José Batista, muito menos se se estendeu até Chão de Meninos. Nem tão pouco a empresa que fez as placas toponímicas, Cerâmica Isabel Garcia, me conseguiu esclarecer. A ser verdade que a Travessa da Boa Vista se estendia até à Casa das Queijadas do Preto, também faria sentido, não só devido à existência da Quinta da Boavista, mas também porque que nalguns locais da rua é possível ter uma excelente vista, para Norte e Poente. À vista desarmada é possível ver as Berlengas, o Convento de Mafra e a serra de Montejunto.

Diz o povo e muito bem, como posso confirmar, que quando daqui se avista as Berlengas (normalmente a bruma ou o nevoeiro o impedem) é sinal de chuva o que é verdade.

Para baralhar ainda mais esta história, um contrato de promessa de compra e venda, datado de 30 de Novembro de 1979, que também consultei, faz-se referência a um mesmo imóvel, como estando em ruas diferentes. Efectivamente o promitente-comprador era o arrendatário do andar superior, é referido no contrato como estando sedeado na Rua Albino José Batista e o imóvel completo, é referido no mesmo contrato como estando sedeado na Rua Bairro dos Ingleses.

Em resumo; Parece não existir dúvidas que a Rua Albino José Batista recebeu esta toponímia devido ao facto de este comerciante aqui ter vivido e não teria a extensão atual. Anteriormente seria era designada por Rua Campo do Arrabalde, conhecida popularmente por Rua do Bairros dos Ingleses. Mais tarde, penso que nos anos 70, especulo eu, que a CM de Sintra terá constatado que a residência do referido comerciante estava localizada não na rua com o seu nome, mas sim na Travessa da Boavista ou Rua do Forno da Cal e resolveu prolonga-la. Lembro perfeitamente de ser colocada a placa toponímica junto à Casa das Queijadas do Preto, ainda que não consiga datar o acontecimento.

Já que a Rua principia junto ao jardim da Vigia e porque estamos a falar de uma contadora de histórias invisual, vai para 10 anos, no decorrer das conversas, a mesma perguntou-me pela pedra dos Cinco Dedos que era visível deste Jardim quando foi inaugurado em Maio de 1939, (ver foto abaixo do local onde foi construido o Jardim da Vigia e onde é possível ver a pedra dos cinco dedos).

Arrabalde.jpg

 

Disse-lhe que a pedra não se vê.

Respondeu-me, que era impossível aquela mão de pedra é tão grande, não me diga que caiu.

Não D. Carlota, não caiu, foram as árvores que cresceram muito e a taparam.

Ficou triste!

Sendo a cegueira uma doença, infelizmente no caso da D. Carlota incurável, ela não esperava que natureza cegasse todos aqueles que ainda vendo, já não conseguem ver a pedra dos cinco dedos.

09
Abr22

Jardim da Vigia - Sintra


Vagueando

 

20220403_081132.jpg

Panorâmica do Jardim da Vigia

Tratando-se de Sintra, cuja fama é reconhecida dentro e fora de portas, profusamente retratada e descrita em prosa e poesia, prefiro começar este texto com uma descrição de Sintra, assinada por “X.”no Jornal de Sintra nº 222 de 08 de maio de 1938.

A Beleza da Serra de Sintra, por ser obra de Deus, está muito acima da concepção humana. Nem prosadores, nem poetas, verberando muito embora em rasgos de génio imortal, conseguirão jamais, com os seus escritos, igualar a sua Beleza maravilhosa e incomparável.

E uma frase também de um texto de Carlos Sombrio no Jornal de Sintra 205 de 09 de Janeiro de 1938, sob o título “Aguarela de Sintra”.

…fazendo de Sintra a Grande Catedral do Silêncio.

Neste sentido, não sendo eu historiador, nem escritor, nem poeta, embora faça umas fotos aceitáveis, não esperem ficar a conhecer Sintra pelo que aqui escrevo e, se ainda não vieram a Sintra, não se deixem encantar pelas fotos que aqui deixo porque, mesmo estas não chegam para ilustrar esta terra.

Por outro lado, vou centrar-me exclusivamente no jardim indicado no título.

Arrabalde, Miradouro da Vigia, Campo ou Monte da Vigia, Jardim da Vigia, Jardim dos Cardos, Miradouro da Condessa de Seisal, sete designações, um só lugar, lindíssimo.

Nas pesquisas feitas na imprensa local, desde os anos 30, nomeadamente no Jornal de Sintra, encontrei todas estas expressões para designar o local. Porquê tantos nomes para um só lugar?

Arrabalde – É parte de uma povoação que, por sua vez, faz parte de uma vila mas fora dos muros desta. Este local estava fora do centro a chamada Vila, onde se encontra o Palácio Nacional de Sintra. Daí parecer fazer sentido que lhe chamassem Arrabalde, palavra que deriva do árabe ar-rabad que significa arredor.

Monte da Vigia e Campo da Vigia – O nome Vigia não consegui apurar de onde deriva, mas especulo que por se tratar de um bom local de vigia pela desafogada vista que tinha (a serra de Sintra e redondezas não apresentava a profusão de arvoredo que hoje conhecemos).

Do lado esquerdo do Jardim existem as Escadinhas da Vigia e em frente deslocada para a direita está a Quinta da Vigia. A adoção do nome Vigia parece assim fazer sentido.

A designação de Campo ou de Monte, deduzo que o local antes de ser jardim poder ser designado por monte, nome que usamos para designar uma pequena elevação, ou campo, nome que se atribui também a um ponto de vista.

Miradouro da Condessa de Seisal- A Condessa de Seisal, Maria Germana de Castro Pereira (dama fiel e próxima da Rainha D. Amélia) era a proprietária do local onde o Jardim se encontra implantado, cedeu gratuitamente o terreno para que nele fosse construído o Jardim. Daí que a adoção do seu nome é da mais elementar justiça.

No Jardim é possível apreciar um obelisco de granito, da autoria do arquiteto Raul Lino com a inscrição “Miradouro da Condessa de Seisal”.

Jardim da Vigia ou Jardim dos Cardos – Trata-se da alteração de Monte da Vigia para Jardim uma vez que o local, segundo o Jornal de Sintra nº 275 de 21 de Maio de 1939 foi finalmente ajardinado.

Quanto à designação Jardim dos Cardos deixarei para mais à frente. Este Jardim, também conhecido pelos nomes acima, sempre me atraiu.

Não consigo definir um motivo de atração, porque são vários.

Desde a vista deslumbrante que nos oferece sobre a Serra de Sintra, aos seus rústicos, estreitos e assimétricos caminhos, às suas árvores e plantas, à sua história, a forma como se integra na paisagem, até ao gosto porque sim e porque gostos não se discutem. É um excelente lugar de contemplação.

Não há muito tempo foi ali rodado um excerto do filme Frankie com Isabelle Hupert, filme a que fui assistir, para ver como este magnífico jardim seria retratado pelo realizador Ira Sachs. Fiquei com a impressão que o filme vale mais pela paisagem de Sintra e pelas imagens do Jardim, do que pelo seu próprio enredo.

Como espectador privilegiado, uma vez que sou “obrigado” a passar por ali quando saio ou chego a casa, já vi por ali gente abraçando longamente os plátanos. Também vejo pintores, e fotógrafos que ficam por ali à espera das mudanças de luz, caminheiros nas suas voltas por Sintra fazem sempre uma paragem, turistas apressados, curiosos, admiradores, gatinhos à trela saboreando a vista e o sol e até uma simpática e tranquila ovelha, costuma passear por lá atrás da sua dona.

Como era o local e que acontecimentos ocorreram até à sua construção.

O Campo da Vigia à época mais não era que um monte de pedras, muitas das quais, propositadamente, ainda são visíveis como o leitor irá perceber com o avançar desta história.

Arrabalde.png

Nesta foto (1826/1929) retirada do arquivo da Câmara Municipal de Sintra, é possível ver o local (do lado esquerdo) onde hoje existe o jardim, a pedra calcária era dominante. A serra despida de arvoredo e ao fundo do lado esquerdo da estrada o portão de acesso à Quinta da Vigia.

A menos de 100m em linha reta, para a esquerda da foto encontra-se a Casa do Cipreste de Raul Lino onde anteriormente existia uma pedreira, da qual ainda existem vestígios dado o cuidado que o arquiteto colocou na sua construção de modo a integra-la na paisagem com o mínimo impacto.

A primeira referência sobre este jardim, descrevia o local como Campo da Vigia. No Jornal de Sintra (1), publicava-se uma carta enviada pelo Sr Tenente Mário Pimentel relativa ao ajardinamento do Monte da Vigia, indicando ter sido contatado por Mário Ribeiro da Comissão de Iniciativa e Turismo que lhe terá pedido, em nome da Comissão de Melhoramentos de S. Pedro, apoio para o ajardinamento do Campo da Vigia(2).

O Sr.Tenente interessa-se pelo tema, também pelo facto do arquitecto Raul Lino se ter disponibilizado a elaborar o projecto de ajardinamento de forma gratuita. Depois de uma reunião com Rodrigo Seisal, filho da Condessa de Seisal (dona do terreno) foi acordado que o terreno seria cedido de forma gratuita, sob algumas condições, que foram aceites pela Câmara.

Foram necessários 5 anos para que a obra se completasse. Durante este período ocorre o ajardinamento mas, a avaliar pelas notícias que iam saindo na imprensa local, esteve votado ao abandono.

Em várias ocasiões eram publicadas notícias como esta, por altura das celebrações das Festas da Nossa Senhora do Cabo em 1937. …“O celebérrimo Miradouro da Vigia se encontrará como actualmente, ou ….Pior ainda! Não terá a nossa Câmara uns singelos escudos para mandar desbastar os cardos e as urtigas que medram à vontadinha?”(3).

Ou ainda esta “O cardo e o tojo crescem sem licença de Deus e o poste que defeitua a paisagem por lá continua…” (4).

Presumo que estas referências aos cardos terão levado a que o povo, sempre dado a criticar o poder, o apelidasse de Jardim dos Cardos.

A par destas críticas, corriam insistentes pedidos para se efetuar a reparação da atual rua Rodrigo Delfim Pereira, que passa pelo jardim, porque dificultava a circulação entre S. Pedro e a Estefânia, via Largo Fernando Formigal de Morais (5).

Os atrasos na construção do Jardim também motivaram a intervenção da imprensa local, nomeadamente numa entrevista ao Secretário da Junta de S. Pedro, Francisco Ribeiro e Costa, no Jornal de Sintra nº 257 de 08 de Janeiro de 1939, ao ser questionado quando será ajardinado o Miradouro da Vigia, respondeu; O Miradouro pertence à Freguesia de Santa Maria, mas como, praticamente, está dentro do bairro de S. Pedro, tem-nos merecido especial atenção, pelo que apresentamos à Câmara uma sugestão que nos parece resolver o assunto.

Os atrasos, a manutenção ou a falta dela não terão sido os únicos problemas do jardim. O projeto do arquiteto Raul Lino não foi respeitado, pelo que este interveio através de uma carta dirigida em 25 de Junho de 1939, a Francisco Ribeiro e Costa, Secretário da Junta de Freguesia de S. Pedro. Nessa carta refere que o projeto era simples, claro, lógico, imediato, prático e económico e, reforçando a ideia expressa na entrevista no parágrafo acima, Raul Lino refere que - não obstante o “corpo do delito” estar fora da vossa freguesia, o que foi feito era a negação do que havia sido planeado (6).

A preocupação de Raul Lino com o tipo de flores e árvores que deveriam ser plantadas e com a forma com que o mesmo se deveria ligar à envolvente, justificavam as suas preocupações que estão expressas num documento que integra o trabalho do Dr Ricardo Miguel Oliveira Duarte, que aconselho vivamente a ser consultado (não só pelo detalhe dado a este jardim como pelo resto do notável trabalho sobre a azulejaria de exterior em Sintra) no final deste post(7).

No referido documento pode ler-se “É preciso por de lado qualquer ideia de um jardim “á inglesa” ou “á francesa” ou de qualquer maneira exótica que não esteja dentro das possibilidades imediatas de uma fácil criação e mantença, em caso de falta de rega, de outros cuidados, ou por motivo de grandes secas naturais ou de prolongadas épocas chuvosas- como é frequente dar-se na nossa região” . E continua afirmando a necessidade revestir quanto baste a rocha “deixando que a graça do recinto dependa mais da disposição dos caminhos e do dois miradoiros, do que da variedade de qualquer coleção de plantas.

A importância que Raul Lino dá à necessidade de se alterar o mínimo possível na construção do jardim, explica a razão pela qual é possível ver parte da rocha que existia no local, nos caminhos e canteiros deste jardim. Os dois terraços circulares que marcam o desnível, sombreados por duas árvores de folha caduca que permitem a solarização do local no Inverno e o sombreamento no Verão, os caminhos desalinhados, marcados com a rocha original, a par da manutenção da pedra existente que em muitos sítios do jardim não foi coberta de terra, talvez sejam a razão do encanto deste jardim.

E sim, o encanto também vem do domínio e da exibição que fazem os 3 montes, o do Castelo, o do Palácio da Pena e o do Monte Sereno, em frente deste jardim.  O Monte Sereno, também conhecido por Castelo Gregório, foi construído por iniciativa de Gregório Ribeiro, cujas obras se concluíram mais ou menos na mesma altura da inauguração do Jardim e que se destinava a ser uma Pensão Restaurante e de onde era possível ter uma vista magnífica sobre Sintra (8), como se pode ver numa das fotos existentes no link abaixo.

Este Jardim faz também parte do Património Arqueológico de Sintra, designado pelo sítio medieval do Jardim da Vigia (9).

Neste Jardim existe ainda uma referência ao Engenheiro Agrónomo Mário de Azevedo Gomes (1885-1965) que na década de 50 elaborou vários estudos sobre clima, solos e floresta do Parque da Pena. Recordo com prazer uma frase sua no livro “A Utilidade das Árvores” – A natureza é consoladora quando é bela e árvores é uma das coisas da natureza que mais ajudam a torna-la bela aos nossos olhos.

A título de curiosidade, já no início da existência do jardim se lamentava a existência de um poste que destoava no jardim e que impedia que se desfrute de ampla vista sem que interferência deste.

Aquando do registo da inauguração do jardim podia ler-se – …um poste telefónico grande, inestético, denegrido, donde irradiam numerosos fios que riscam a paisagem (10).

Coincidência ou não, os postes (agora de electricidade e de telecomunicações) continuam ali a riscar a paisagem. Sendo Sintra Património Mundial da Humanidade há vinte sete anos, não parece fazer sentido a existência de tais fios e postes, visíveis na primeira foto deste texto.

Resta-me informar que este Jardim fica localizado na Rua Rodrigo Delfim Pereira, filho ilegítimo do Imperador do Brasil D. Pedro I e nosso Rei D.Pedro IV, que foi proprietário da Quinta Vigia, sendo que nesta Quinta foi recebida a Rainha D. Amélia na oportunidade dada por Salazar para revistar Portugal em 1945.

O filho de Rodrigo Delfim Pereira, Manuel Rodrigo Castro Pereira era pessoa muito rica, para além da Quinta Vigia, possuía a Quinta das Murtas (que fica a cerca de 300 m abaixo do Jardim da Vigia) e era o avô de Francisco Pinto Balsemão. Um dos irmãos do avô Manuel, era Rodrigo Castro Pereira, salazarista convicto. No dia 26 de abril de 1974, vestiu a farda Legião, sentou-se na sua casa, na Quinta das Murtas e esperou que o viessem prender o que nunca aconteceu. Mais tarde terá confessado ao seu sobrinho Balsemão, de forma semi-sarcástica que tinha muito orgulho em ter um sobrinho como Primeiro-ministro de Portugal (11).

815-176-103241.jpg

Foto da Rainha D. Amélia na companhia da Condessa de Seisal, Quinta Vigia em 22 de Maio de 1945, obtida em https://www.tagusart.com/pt/auction/lot/id/3553. Na foto é possível ler-se Quinta da Vigia Sintra 22 de maio de 1945.

Em frente ao Jardim desembocam a rua Albino José Batista e a Rua José Neto Milheiriço, conceituado médico sintrense alvo de vários agradecimentos no Jornal de Sintra (12) pelas suas qualidades profissionais e humanas que chegou a ter consultório na Vila Maria, na Rua do Roseiral, rua onde está implantada a Casa do Cipreste de Raul Lino.

Mais tarde este prestigiado médico, passou a dar consultas na sua Casa Particular, na Rua D. João de Castro muito próxima do Jardim da Vigia.

(1) - Jornal de Sintra nº 37 de 16 de Setembro de1934.

(2) - Jornal de Sintra nº 37 de 16 de Setembro de1934.

(3) - Jornal de Sintra nº172 de 23 de Maio de 1937 “Ao correr da Pena… Casos e coisas de Sintra”

(4) - Jornal de Sintra nº 212 de 27 de Fevereiro de 1938 “Do Bairro de S.Pedro”

(5) - Jornal de Sintra nº 229 e 234 de 29 de Junho e 31 de Julho de 1938

(6) - Documentos de Raul Lino incluídos no Anexo ao trabalho de Ricardo Miguel Oliveira Duarte da Universidade de Lisboa – Faculdade de Letras – Azulejaria de Exterior em Sintra, Dissertação orientada pelo Prof.Doutor Vitor Serrão.

(7) - Documentos de Raul Lino incluídos no Anexo ao trabalho de Ricardo Miguel Oliveira Duarte da Universidade de Lisboa – Faculdade de Letras – Azulejaria de Exterior em Sintra, Dissertação orientada pelo Prof.Doutor Vitor Serrão.

(8) - Jornal de Sintra nº257 de 21 de maio de 1939

(9) - Sítio Inventariado. Abrangido pela ZEP da Paisagem Cultural de Sintra - Aviso n.º 15169/2010, DR, 2.ª série, n.º 147, de 30-07-2010. Na área correspondente ao jardim da Vigia foram recolhidos à superfície materiais arqueológicos tardomedievais e modernos que indicam uma ocupação no sítio da Vigia, junto ao núcleo urbano de São Pedro

(10) - Jornal de Sintra nº 275 de 21 de maio de 1939

(11) - Livro Memórias de Francisco Pinto Balsemão, Porto Editora

(12) - Nº 244 de 09 de outubro de 1938 e 256 de 31 de dezembro de 1938

Abaixo o link para mais fotos do jardim e dos artigos do Jornal de Sintra mencionados ao longo da minha descrição.

Sugiro que vejam as fotos com os comentários abertos para acompanhar a descrição de cada foto.

https://photos.app.goo.gl/aFBoe5JyXzjpxYno6

Abaixo o link para o trabalho de Ricardo Miguel Oliveira Duarte - Azulejaria de Exterior em Sintra e respetivo anexo.

https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/37922/1/ulfl259924_tm.pdf

https://repositorio.ul.pt/handle/10451/37922  (depois de abrir este link, no final da página, encontra o ficheiro pdf com os anexos)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub