Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

29
Fev24

A tradição ainda é o que era


Vagueando

Este post cai no âmbito do desafio1foto1texto de IMSilva

Roupa Estendida.jpg

Foto - Jornal de Sintra nº 864 de 13/08/1950 - Artigo escrito pelo Presidente da Câmara Municipal de Sintra, José Alfredo da Costa Azevedo que nos deixou muitos e ricos apontamentos sobre Sintra, compliados em vários livros.

Esta coisa do ambiente está a ficar um bocado irrespirável. É preciso agir e rápido.

Quando se fala em agir, quer dizer que estamos disponíveis para passarmos à ação, incluindo mandando recados com tinta verde. Contudo, a ação tem que ser longe da nossa porta, (por exemplo se se tratar de um aterro sanitário ou de uma exploração de lítio, mesmo que isso seja o preço a pagar por melhor ambiente) ou a ação tem que ser levada a cabo por outros.

Sim porque nós, os que defendemos a ação, já usamos carros eléctricos, temos placas solares em casa para produção de electricidade e aquecer a água, a roupa que usamos e temos (se calhar) em excesso é fabricada por processos sustentáveis, a nossa comida é biológica, os nossos electrodomésticos e iluminação lá de casa é toda classe A++++++ e os nossos computadores e telemóveis são fabricados com o mínimo de pegada ecológica.

Já há uns tempos que vagueei por aqui sobre estendais de roupa e recentemente, confesso que não sabia, os condomínios, inclusive ou se calhar em especial, aqueles mais luxuosos, fazem constar nos seus regulamentos, que é expressamente proibido estender roupa no exterior dos edifícios.

Também (segundo os mesmos regulamentos)  é expressamente proibido colocar nas varandas roupa a secar, mesmo que não esteja pendurada mas sim estendida naqueles mini estendais pousados no chão da varanda.

Tudo isto em nome da estética que, ao que parece, é um bem superior ao ambiente. Ou seja no fundo, é preferível morrer com ar poluído no meio de uma paisagem urbana com estética bem cuidada, do que respirar ar puro e ver o horror da roupa a secar na rua ao ar livre, sem qualquer consumo de energia.

Nos tempos que já lá vão, em que se lavava roupa à mão, quando se estendida ficava a pingar, as desavenças entre vizinhas eram frequentes. Hoje isso não acontece, a roupa sai das máquinas de lavar sem deixar cair um pingo, portanto esta proibição expressa parece absurda nos tempos que correm. 

Participo com frequência em caminhadas organizadas, por campos e aldeias de Portugal, onde participam pessoas que residem em condomínios, alguns mais elitistas. Há uns tempos uma senhora referia que tinha sido admoestada pelo administrador do condomínio, porque tinha colocado um desses estendais pequenos na varanda para a secar meia dúzia de pequenas peças de roupa.

Vou deixar duas notas para percebermos como a hipocrisia e a incoerência sobre o ambiente.

1 – Nestas caminhadas é frequente encontrar-se galinheiros de todas as formas e feitios o que é apreciado pelos caminheiros, não tanto na vertente de que as galinhas que ali estão servirem de alimento, mas mais na vertente estética da coisa, é giro ter umas galinhas ali à solta no campo.(vê-se mesmo que nunca entraram num galinheiro para o limpar).

2 – Também é giro passar por aldeias, tipo aldeias da roupa branca onde em estendais de chão ou nas fachadas das casas se seca roupa ao Sol e ao vento. É giro porque é típico é quase como se fosse algo do outro mundo. Também aqui o giro e o típico é visto mais como sinal exterior de pobreza, quiçá de espírito e de alguma parolice, do que um processo ambientalmente correto.

3 – Por último, depois de acabadas as caminhadas, regressamos a casa, cada um no seu veículo de motor de combustão (ainda não me deparei com nenhum eléctrico) mas atenção todos eles cumprem a norma EURO qualquer coisa pelo que são muito menos poluentes que as máquinas agrícola que andam pelos campos.

No dia a dia, os condóminos, que não estendem roupa na rua, aliviam a sua consciência ecológica fazendo-se transportar em carros eléctricos, alguns curiosamente com mais potência do que os equivalentes com motor a combustão.

Não há fumo de escape mas há consumo a mais de energia, seja a secar a roupa, seja porque não precisamos de tanta potência para nos deslocarmos.

Má aposta dos condóminos ao regulamentar a proibição de se usar o Sol e o vento gratuitos (mas exige-se que os Estados financiem a instalação de placas solares e eólicas para produzir electricidade) e má aposta dos construtores de automóveis eléctricos, ao se promoverem como ambientalmente responsáveis e fabricarem veículos com excesso de potência, supostamente movida a energia “limpa”.

 

 

15
Fev24

Teleférico de Sintra


Vagueando

Depois de muitos anos de debates, de promessas e desilusões, avanços e recuos, finalmente o teleférico de Sintra.

Estávamos em 1958, quando na Edição 1247 do Jornal de Sintra, de 19/01/1958, se anuncia que finalmente iriamos ter um teleférico em Sintra, a partir da Estação de Caminhos de Ferro.

Pois é, no meio de tantos avanços e recuos, venceram os recuos e hoje, 66 anos depois, nem teleférico, nem estacionamento decente existe em Sintra para evitar que tantos veículos entrem em Sintra diáriamente.

Esta foto, do recorte do Jornal de Sintra referido, é a minah resposta ao desafio 1foto1texto de IMSilva.

20220927_160738.jpg

 

07
Fev24

Escavações


Vagueando

20240201_102312.jpg

Desafio 1foto1texto

De tempos a tempos vagueio pelas fotos do meu telemóvel para recordar um dia, uma data, uma curiosidade ou apenas uma foto. 

É difícil passar um dia sem que use o meu telemóvel para tirar fotos, muitas delas para alimentar coleções de imagens, outras nem sei bem porque as tirei. 

Esta foto foi tirada durante um passeio pedestre recente, parti de Algés e fui até Cascais, cerca de 28 km.

Tirei esta foto porque gostei do enquadramento, da luz, do fundo. A questão é o que posso escrever sobre ela.

Andamos a escavar de mais, a mostrar muita terra revolvida, a abrir buracos enormes, que não conseguimos escorar devidamente, temos dificuldade em remexer toda a terra retirada. Passada a euforia, deixamos de alimentar a máquina à espera que a terra, o buraco, o objetivo do mesmo caia no esquecimento.

Ou objetivo de abrir o buraco, foi publicitar algo grandioso, tipo lancámos hoje a primeira pedra e está feito , mesmo que fique tudo por fazer?

 

 

18
Jan24

A Ocidental Praia Lusitana


Vagueando

Hoje, embora o post seja meu, muito pouco do seu conteúdo se deve a mim.

A ideia de o escrever não foi minha, mas teve origem no desafio 1foto1texto de IMSilva.

20240112_165851.jpg

'«As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram;»'

O texto (legenda) não é meu, é do nosso grande poeta Luís Vaz de Camões.

A ideia de legendar a foto acima, recorrendo ao poeta, também não é minha mas sim de outro bloguer que acompanho - Cheia - que tem vindo a divulgar e muito bem, no seu blogue Sociedade Perfeita, excertos dos Lusíadas.

Por último sendo a foto minha, a praia retratada, pequena de mais para abarcar a descrição – A Ocidental Praia Lusitana, também não é minha, não é de ninguém, é de todos nós. Os 600km de praias são, afinal, a ocidental praia lusitana.

20240112_173414.jpg

Dada a envolvência e tudo o que está em causa, achei por bem, juntar outra foto que tendo a ver com o mar e com a navegação marítima, não era possível ver na época dos Descobrimentos – Um dos vários faróis que iluminam os 600 km da Ocidental Praia Lusitana

12
Jan24

O pontapé


Vagueando

Mais uma participação no desafio 1foto1texto de IMSilva

No final do ano passado, porque devia uma visita a uma residente, fui almoçar à Ericeira.

Depois do repasto, fiz a visita, conversámos um pouco, ofereci-lhe um livro de fotografias e aproveitei para visitar a vila que, nessa altura do ano está mais dada à tranquilidade.

Gosto da tranquilidade dos lugares “desapinhados” de gente, o espaço é sempre um bom lugar onde quer que estejamos.

Há mais tempo para observar, contemplar, fruir e, obviamente tirar umas fotos para que, no ambiente ainda mais tranquilo da nossa casa, podermos ver o que vimos.

20231211_140639.jpg

Ao observar esta foto que parou este movimento da rebentação das ondas contra as rochas, consigo imaginar uma bota a pontapear o mar salpicando água para a frente e deixando atrás de si o rasto de ter passado dentro de água.

Não conseguem ver a bota, é só clicar aqui que eu mostro.

28
Dez23

Fui abraçar árvores


Vagueando

ABA.jpg

Cá estou de novo para mais uma participação 1 foto 1 texto de IM Silva

Há uns dias desloquei-me ao Alentejo, ondei passei uns dias de descanso. Gosto do Alentejo, das cores, do silêncio, das aldeias, dos campos, dos passeios pedestres, das pessoas, dá gosto conversar com desconhecidos no Alentejo.

Durante um passeio pedestre, lembrei-me de desafio da CMCascais em 2017 cujo mote era “Abrace uma árvore!” Sente-se à altura?

Parece que os benefícios de abraçar uma árvore são muitos, segundo este desafio, podem resumir-se a;

  • São os maiores e mais antigos seres do mundo.
  • Produzem o oxigénio, ajudam a regular a temperatura e os níveis de águas nos solos, protegem e conservam os ecossistemas
  • São uma fonte de matérias-primas como combustíveis, madeira, alimentos e até componentes naturais usados nos medicamentos
  • Ajudam a reduzir os níveis de stress e de ansiedade. Vários estudos mostram que a presença de árvores à nossa volta provoca esse efeito.
  • Promovem o aumento dos níveis de concentração e produtividade quer em crianças, quer em adultos.
  • Estão presentes nas nossas recordações de infância

Ora ali estava eu e a minha mulher no meio daquela vastidão, onde várias árvores davam nas vistas pela sua imponência e beleza, não havia nenhum sinal de proibido abraçar árvores, tentei-me e abracei uma, obviamente com a autorização da minha mulher.

Vai daí, achei que o desafio da C.M. Cascais podia ser o mote para este desafio da IMSilva e pronto, cá estou.

Ah, a experiência de abraçar a árvore foi estranha, senti-me um bocado deslocado, até talvez ridículo, não posso dizer que tenha sentido alguns dos benefícios acima indicados, mas é uma experiência que vou repetir, até porque os islandeses, durante a pandemia também aconselhavam as pessoas a abraçar árvores, uma vez que não podiam abraçar-se uns aos outros.

Por último achei que uma foto de uma árvore, no meio de tantas que vi neste passeio era pouco, pelo que criei um álbum das que vi e que quem me ler também pode ver aqui.

https://photos.app.goo.gl/DKbzUtc1mJmo6it77

 

 

 

 

21
Dez23

Dois cafés e uma taça de esparregado


Vagueando

Desafio 1 foto 1 texto de IM Silva

Blank 3 Grids Collage.png

Acredito que ninguém goste que o telefone toque enquanto estamos a fazer a nossa refeição, mas às vezes há boas surpresas.

Almoçava com a minha mulher, num restaurante algures no Alentejo, toca o telefone. Atendo, é o meu filho que, a meio da conversa, me pergunta onde estou. Respondo-lhe a almoçar num restaurante.

Volta à carga, mas onde? Em …(não quero que pensem que venho para aqui fazer publicidade).

É pá uma das minhas colegas, que é daí da terra já me falou nesse restaurante e disse-me que serve o melhor esparregado do Mundo.

Como já tinha almoçado, por acaso estava mesmo para pedir os cafés quando o telefone tocou e o esparregado não tinha feito parte da refeição, quando chegou a hora de pedir as duas bicas acrescentei, olhe e queria uma tacinha de esparregado.

A senhora olhou para mim de lado e antes que pensasse que era maluco, contei-lhe a história do telefonema e acrescentei que adoro esparregado, pelo que gostava de o provar o vosso.

Lá vieram os dois cafés e a taça de esparregado.

Se é o melhor do Mundo não sei, mas que foi o melhor que comi, ainda por cima em sobremesa, lá isso foi.

Jurei que voltaria para o ano, logo no início, para comer um prato que inclua o famoso esparregado.

07
Dez23

Entre a beleza e o horror


Vagueando

20231206_160812.jpg

Ontem numa das minhas raras passagens por esta zona, detive-me frente ao mar, nas proximidades da Boca do Inferno em Cascais.

Fiquei ali parado por alguns instantes a aproveitar a tranquilidade do momento, a olhar para o mar, um espelho.

O tempo foi passando, fui tirando umas fotos, soube-me bem aquele momento e decidi logo ali, que uma daquelas fotos iria servir para participar neste desafio 1 foto 1 texto de IMSilva.

Hoje de manhã fui surpreendido com a notícia de que um carro se despistou e caiu ao mar na zona do Cabo Raso, acidente que provocou a morte de duas mulheres.

Entre a beleza de ontem e horror de hoje, distam uns meros 4km.

Como é que tanta beleza conseguiu, em menos de 24h, acolher tanto horror?

30
Nov23

Depois das vistas curtas as vistas baixas


Vagueando

 

Daqui a pouco, sensívelmente duas horas, é hora de cumprir o desafio 1foto 1 texto, lançado por IMSilva.

Jogando na antecipação, coloco desde já a minha participação.

20231119_080527.jpg

A partir do dia em que nos erguemos para começarmos a andar e, simultaneamente, a crescer e a ganhar altura, começamos a ver o que nos rodeia sempre do nosso ponto de vista e apenas o que está à nossa frente.

Assim, ao longo da nossa vida, os nosso olhos observam o mundo à altura da nossa altura e, por isso quem sabe, frequentemente referimos que temos que estar à altura dos acontecimentos.

Quando caímos, a nossa primeira reação é levantar-nos, de preferência rapidamente, para que ninguém se aperceba da nossa queda.

O nosso corpo é como um tripé de uma máquina fotográfica, ainda que funcione ao contrário deste, já que são as nossas pernas que giram quando queremos ter uma visão de 360º .

Como sempre gostei muito de fotografar, as primeiras fotos que fiz tinham que incluir sempre pessoas, desde que estas estivessem generosamente banhadas pela luz milagrosa do Sol. Não passava pela cabeça de ninguém (que eu conhecesse) tirar fotos onde não estivesse alguém, primeiro porque as pessoas eram o centro das atenções e depois porque fotografar era caro, muito caro e não valia a pena gastar dinheiro com fotos onde não estivessem pessoas.

Contudo, eu tinha outros olhares, mas não os podia mostrar, não me era permitido fotografar o que via, desde que lá não estivessem pessoas.

Mais tarde, com o primeiro emprego e com a minha primeira máquina, comecei a destruir dinheiro em revelações e impressões de fotos sem pessoas mas, desilusão, não correspondiam ao que tinha visto ou então não gostava de ver na foto aquilo que tinha gostado de ver sem a máquina fotográfica à frente dos olhos.

Descobri que a minha visão e a visão da máquina fotográfica registavam coisas diferentes, embora a perspetiva do olhar fosse o mesmo, ou seja, a lente e a minha visão estavam ao mesmo nível, ainda que a amplitude do meu olhar fosse superior à amplitude da lente.

Entretanto, descobri que gosto de ver o mundo como se os meus olhos estivessem muito mais baixos, digamos nos pés e comecei a fazer fotos ao nível do chão.

Curiosamente, a este nível tão baixo, as fotos que obtenho satisfazem-me, mesmo com o sacrifício de me deitar no chão para as obter e confesso, que ao contrário do que sentia antes, agora gosto mais do resultado obtido com as fotos do  aquilo que vi quando as realizei.

Como nota final, tenho que acrescentar que não me deitei no chão para realizar esta foto, que fique bem claro, ainda que a luz não permitisse, aquela hora do dia, total clareza.

Tenho que dizer isto, porque normalmente quando alguma atividade oferece algum risco, nomeadamente físico, costuma-se escrever “não tente fazer isto em casa”, mas no caso desta foto eu acrescento “não tente fazer isto na rua”.

23
Nov23

O conciliador amigo


Vagueando

Este é mais um post dedicado ao Desafio 1 foto 1 texto

20231118_152919.jpg

As cores não mentem, era um dia frio. Contudo, o ambiente era de tensão e quente. Um casal desavindo tinha a relação por um fio. Competia-me a mim, como amigo, reacender a paixão ardente.

Convidei-os, cheguei cedo, achei este local adequado. Sentei-me, observei as cadeiras onde os iria sentar, gostei do que vi. Chegaram, cumprimentaram-me sem sorrir, o ar estava pesado. Senti-me mal ao vê-los com aquele aspeto, quase morri.

Recordei-lhes os tempos passados, que foram tão felizes. Para eles, para os seus amigos e em especial para mim. Concordaram, olharam-se de novo, pareceram ter ganho novas raízes. Propus um brinde, festejámos com 3 copos de vinho tinto, voltou o amor e o rancor tinha chegado ao fim.

Foto – Adega Mãe – Torres Vedras

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub