Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Generalidades

Generalidades

10
Jan19

Complicar ou inovar, eis a questão.


Vagueando

Disco.jpgSinal (2).jpg

O meu primeiro carro foi um boguinhas de cor verde, conhecido por Carocha, ou seja VW 1200, matrícula GF-38 qualquer coisa. Ano de nascimento 1960, tudo muito simples, duas portas, um porta bagagens à frente, onde se encontrava também o depósito de gasolina normal, motor atrás ainda mais simples que a simplicidade do carro e nada de cintos de segurança. Apenas duas fechaduras, uma para a porta do condutor, outra para a tampa do compartimento do motor.

Tudo era fácil. No tablier só se encontravam três botões, um para o limpa vidros (só de uma velocidade, lenta por sinal) e o dos faróis, que, com duas posições, ligava os mínimos e estes mais os médios. O botão que alternava entre os médios e os máximos era um pequeno interruptor accionado pelo pé esquerdo, que estava ao lado do pedal da embraiagem. Os faróis alimentados por uma bateria de 6V, montada debaixo do banco traseiro, eram tão fracos que muitas vezes saia do carro para confirmar se estavam mesmo ligados. O terceiro botão, servia para puxar um cabo que fechava a entrada de ar no carburador e assim facilitava o arranque do motor a frio. Após o motor arrancar, esperava-se uns segundos, empurrava-se aquilo para dentro e toca a andar.

O painel de instrumentos era composto apenas e só por um velocímetro com 4 luzinhas, uma azul que indicava máximos ligados, uma vermelha que era sinal de motor quente (nunca acendeu), uma amarela que indicava problemas de carregamento da bateria e uma verde que indicava se o pisca estava a funcionar. Nada de Auto Rádio porque, para 6V, também rareavam na altura e eram caros.

Indicador do nível da gasolina nem pensar, muito menos o botãozinho mágico que liga os 4 piscas ao mesmo tempo. Nem sem como seria a vida dos portugueses sem esta grande invenção da indústria automóvel, que tanto jeito dá para largar o carro de qualquer maneira, vai-se tomar um café ou, sei lá, fumar uma cigarrada ou estaciona-se em cima do passeio ou da passadeira de peões.

O motor não precisava de água, tinha um pequeno radiador que arrefecia o óleo de lubrificação, cujo arrefecimento era assegurado com o ar que era forçado, pelo próprio motor, em direção do referido radiador.

Essas coisas de desembaciador do vidro e chauffage eram coisas assim um bocado supérfluas e esquisitas, o sistema de desembaciar o vidro da frente era mais embaciador, pelo que no meio dos bancos da frente andavam sempre umas folhas do jornal O Século para esfregar o vidro nos dias de chuva e chauffage nunca se ligava porque era necessário dar muitas voltas a uma torneira (leram bem era mesmo uma torneira) que existia ao lado do travão de mão e quando se chegava ao fim, o pouco calor que entrava no habitáculo era acompanhado de um forte cheiro a óleo.

Só falta falar dos travões, de tambor às quatro rodas, com bomba hidráulica central, que, curiosamente, já dispunham de ABS, não como o conhecem hoje mas era um ABS muito especial porque quando se travava o carro Abrandava Basicamente Solto.

Eram tempos de contas de cabeça, pois a malta como não tinha indicador de gasolina atestava o depósito e depois era só fazer as contas aos quilómetros que se conseguia percorrer sem voltar à bomba. Como também não havia contador parcial dos quilómetros ou se os memorizava ou se apontavam num papelinho ou, pura e simplesmente, ficava-se sem gasolina.

Quando se andava de cabeça perdida usava-se um ferro, que também servia para fazer subir o macaco. Colocava-se, à vertical, dentro do depósito e a parte que ficava molhada, correspondia à gasolina lá existia. Não era uma medida expressa em litros mas sim em mais ou menos.

Vem esta lenga lenga a propósito de quê? Pois bem para falar do que foi transformar as coisas simples em coisas complicadas e, pior que isso, apelidar essa transformação de inovação quando lhe deveriam, justamente, chamar, complicação.

Com o aumento do número de carros em circulação o estacionamento, em especial nas grandes cidades começou a ser um problema.

Neste sentido, para facilitar a vida a todos, dentro das cidades, criou-se umas zonas de estacionamento com duração limitada. Essas zonas eram conhecidas por “Zona Azul”.

Para se estacionar nestas zonas era obrigatório possuir um Disco de Fiscalização que eram aprovados pelas Câmaras Municipais.

O procedimento não podia ser mais simples. Quando se estacionava nesses locais, marcava-se a hora de chegada no disco e, nesse mesmo disco, ficava logo indicada a hora até à qual o estacionamento estava autorizado. Tão simples, nada de moedas, nada de trocos, nada de ir ao parquímetro, nada de apps, nada de cartões pré comprados, apenas e só um disco que durava toda a vida, ainda por cima era gratuito, porque as próprias marcas de automóveis e outras empresas ofereciam-nos aos automobilistas.

Parece-me que o estacionamento à superfície nas cidades, deveria ser todo regulado desta forma porque se trata de espaço público que as Câmaras têm vindo, em meu entender, abusivamente, a ceder a Empresas Municipais de Estacionamento que fiscalizam ferozmente estes espaços, por vezes até exploram lugares em contravenção com o disposto no Código da Estrada, tudo em nome do NEGÓCIO. Lugares pagos só em parques de estacionamento construídos especificamente para o efeito.

A inovação é tão grande nesta área que até se esquece da complicação que este negócio trouxe às cidades e que consiste em perseguir-se os automobilistas que do ponto de vista da segurança e fluidez de tráfego (missão fundamental do Código da Estrada) têm os seus veículos bem estacionados, deixando impunes todos os outros que estacionam em cima do passeio, na faixa de rodagem, nas passadeiras de peões, a bloquear bocas de ataque a incêndios a bloquear saídas de garagens, ou seja, em clara contravenção com o Código da Estrada. E esta inversão de valores só acontece porque os automobilistas estão, cientes de que o risco de ser multado nestas condições é bem menor do que o risco de ser multado num lugar pago sem pagar. É o que se chama trabalhar-se para aumentar drasticamente o sentimento de impunidade.

Ironia das ironias até as carrinhas da EMEL estacionam na faixa de rodagem enquanto cumprem a sua missão de bloquear, multar e desbloquear.

Afinal o que queremos inovação ou complicação?

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub