Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Generalidades

Generalidades

29
Fev24

A tradição ainda é o que era


Vagueando

Este post cai no âmbito do desafio1foto1texto de IMSilva

Roupa Estendida.jpg

Foto - Jornal de Sintra nº 864 de 13/08/1950 - Artigo escrito por José Alfredo da Costa Azevedo, que viria a ser presidente da Câmara Municipal de Sintra logo a seguir ao 25 de Abril de 1974 e que nos deixou muitos e ricos apontamentos sobre Sintra, complaldos em vários livros.

Esta coisa do ambiente está a ficar um bocado irrespirável. É preciso agir e rápido.

Quando se fala em agir, quer dizer que estamos disponíveis para passarmos à ação, incluindo mandando recados com tinta verde. Contudo, a ação tem que ser longe da nossa porta, (por exemplo se se tratar de um aterro sanitário ou de uma exploração de lítio, mesmo que isso seja o preço a pagar por melhor ambiente) ou a ação tem que ser levada a cabo por outros.

Sim porque nós, os que defendemos a ação, já usamos carros eléctricos, temos placas solares em casa para produção de electricidade e aquecer a água, a roupa que usamos e temos (se calhar) em excesso é fabricada por processos sustentáveis, a nossa comida é biológica, os nossos electrodomésticos e iluminação lá de casa é toda classe A++++++ e os nossos computadores e telemóveis são fabricados com o mínimo de pegada ecológica.

Já há uns tempos que vagueei por aqui sobre estendais de roupa e recentemente, confesso que não sabia, os condomínios, inclusive ou se calhar em especial, aqueles mais luxuosos, fazem constar nos seus regulamentos, que é expressamente proibido estender roupa no exterior dos edifícios.

Também (segundo os mesmos regulamentos)  é expressamente proibido colocar nas varandas roupa a secar, mesmo que não esteja pendurada mas sim estendida naqueles mini estendais pousados no chão da varanda.

Tudo isto em nome da estética que, ao que parece, é um bem superior ao ambiente. Ou seja no fundo, é preferível morrer com ar poluído no meio de uma paisagem urbana com estética bem cuidada, do que respirar ar puro e ver o horror da roupa a secar na rua ao ar livre, sem qualquer consumo de energia.

Nos tempos que já lá vão, em que se lavava roupa à mão, quando se estendida ficava a pingar, as desavenças entre vizinhas eram frequentes. Hoje isso não acontece, a roupa sai das máquinas de lavar sem deixar cair um pingo, portanto esta proibição expressa parece absurda nos tempos que correm. 

Participo com frequência em caminhadas organizadas, por campos e aldeias de Portugal, onde participam pessoas que residem em condomínios, alguns mais elitistas. Há uns tempos uma senhora referia que tinha sido admoestada pelo administrador do condomínio, porque tinha colocado um desses estendais na varanda para a secar meia dúzia de pequenas peças de roupa.

Vou deixar duas notas para percebermos como a hipocrisia e a incoerência sobre o ambiente.

1 – Nestas caminhadas é frequente encontrar-se galinheiros de todas as formas e feitios o que é apreciado pelos caminheiros, não tanto na vertente de que as galinhas que ali estão servirem de alimento, mas mais na vertente estética da coisa, é giro ter umas galinhas ali à solta no campo.(vê-se mesmo que nunca entraram num galinheiro para o limpar).

2 – Também é giro passar por aldeias, tipo aldeias da roupa branca onde em estendais de chão ou nas fachadas das casas se seca roupa ao Sol e ao vento. É giro porque é típico é quase como se fosse algo do outro mundo. Também aqui o giro e o típico é visto mais como sinal exterior de pobreza, quiçá de espírito e de alguma parolice, do que um processo ambientalmente correto.

3 – Por último, depois de acabadas as caminhadas, regressamos a casa, cada um no seu veículo de motor de combustão (ainda não me deparei com nenhum eléctrico) mas atenção todos eles cumprem a norma EURO qualquer coisa pelo que são muito menos poluentes que as máquinas agrícola que andam pelos campos.

No dia a dia, os condóminos, que não estendem roupa na rua, aliviam a sua consciência ecológica fazendo-se transportar em carros eléctricos, alguns curiosamente com mais potência do que os equivalentes com motor a combustão.

Não há fumo de escape mas há consumo a mais de energia, seja a secar a roupa, seja porque não precisamos de tanta potência para nos deslocarmos.

Má aposta dos condóminos ao regulamentar a proibição de se usar o Sol e o vento gratuitos (mas exige-se que os Estados financiem a instalação de placas solares e eólicas para produzir electricidade) e má aposta dos construtores de automóveis eléctricos, ao se promoverem como ambientalmente responsáveis e fabricarem veículos com excesso de potência, supostamente movida a energia “limpa”.

 

 

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub