Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Generalidades

Generalidades

28
Jul23

Desafios


Vagueando

Não gosto muito de me vincular a promessas. Contudo, falhar no primeio dia de um desafio de uma bloguer que conheço, também me pareceu um pouco absurdo. 

Vai daí levantei-me cedo,  tentado a colaborar no desafio da Isabel Silva 1 Foto 1 Texto, do Blog "Pessoas e Coisas da Vida" e aqui vai a minha colaboração, com esta foto.

De costas voltadas.jpg

De costas voltadas à espera de alguém que se sente, de costas voltadas, sem virar as costas à paisagem.

Ria de Aveiro

 

21
Jul23

Os Estendais de Roupa


Vagueando

20230720_150754.jpg

20240106_161858.jpg

Hoje nas minhas deambulações a pé por Sintra esta janela despertou-me a atenção, apenas e só por ter roupa estendia ao ar livre.

Com o tempo os estendais (como o que se vê na foto) de cabo de arame de aço coberto a plástico (para não sujar a roupa), que corriam entre duas ferragens com roldanas, cravadas com cimento nas paredes das casas foram desaparecendo.

Daí a minha curiosidade e ter tirado a foto.

Fui dar uma volta na internet para tentar perceber a razão do desaparecimento e por lá vi uns comentários depreciativos à roupa pendurada nos arames da roupa, outro nome pelo qual a designação estendal, causava à paisagem urbana.

Quem sou eu para duvidar de tal coisa, nem sequer sou arquitecto paisagista. Partindo do princípio que as pessoas não passaram a usar roupa descartável, acredito que a solução lógica tenha sido optar pelo secador de roupa.

A ser verdade a opção pelo secador de roupa, tenho que concluir duas coisas;

A primeira é que afinal estamos mais ricos do que apregoamos, pagar para fazer uma coisa que é grátis é mesmo um absurdo e as máquinas secadoras de roupa não são propriamente um bom exemplo de baixo consumo de energia.

A segunda é que andamos todos muito atarefados em arranjar soluções para sermos ambientalmente mais sustentáveis e descartamos uma solução tão antiga e tão tipicamente portuguesa, estender roupa na rua, que aproveita aquilo que temos de borla e com abundância, vento e sol.

Actualização em 03/10/2023, um artigo na Sapo Viagens, do blog Volto Já que liga bem com estendais;

https://viagens.sapo.pt/viajar/viajar-mundo/artigos/a-beleza-do-quotidiano-num-estendal-portugal-e-italia-sao-os-reis-da-roupa-a-secar-ao-ar-livre#

A ideia deste post surgiu após um amigo me ter enviado por Whats App a imagem abaixo.

Climitard.jpg

15
Jul23

Portugal é o país da Europa ocidental com mais mortes por atropelamento


Vagueando

 

O título diz tudo e foi notícia ontem Portugal o país da Europa com mais atropelamentos.

Contudo, há que encontrar culpados e de alguma forma arranjar forma de penalizar os não culpados, ainda que entenda as ideias e concorde com elas até certo ponto. Dizem os especialistas que reduzir a velocidade do tráfego motorizado é a melhor forma de reduzir o número de atropelados e a gravidade destes acidentes. Para isso o governo e as autarquias têm que tomar medidas para resolver o problema. 

Pois que seja, mas volto sempre à mesma questão, os mais vulneráveis não têm obrigação de se proteger? E quando não se protegem o que acontece? Já viram algum polícia, já não digo multar, mas chamar à atenção de um peão que, com passeio ao lado, circula alegremente na estrada e muitas vezes de costas para o tráfego?

Em Setembro de 2022, escrevi aqui O flagelo dos atropelamentos. O que se pode fazer nestes casos, culpar o Governo, a Polícia (teria que existir no mínimo um Polícia para cada cidadão) ou quem não se protege?

Quando se tomam medidas para reduzir a velocidade e ninguém cumpre, como é o caso da localidade de Ranholas em Sintra, temos uma pescadinha de rabo na boca e tudo fica na mesma.

Em suma, o problema é de mentalidades e da mais elementar falta de respeito, quando os mais vulneráveis não se protegem estão à mercê de si próprios porque, quando são condutores também não cumprem as regras. Tudo isto aliado a um certo alheamento das forças de segurança que optam por fechar os olhos a muitas infrações e quando não fecham, ai, ai, ai que é caça à multa, temos o caldo entornado e os resultados dificilmente poderiam ser outros.

A não ser que a Nossa Senhora de Fátima se multiplique em milagres

05
Jul23

Há livros que aleijam quando são lidos


Vagueando

20230705_181340.jpg

 

Quando lemos um romance  esperamos um final feliz. Este livro de Maryse Condé, À espera da Subida das Águas, sem final feliz, fala-nos de dois temas que nos atormentam actualmente, os refugiados e as alteraçoes climáticas. 

A diferença é que nós compreendendo ou não estes dois fenómenos, ainda não fazemos a mínima ideia do sofrimento a que já estão sujeitas as pessoas refugiadas.

A autora faz-nos um retrato, duro e violento do que se passa e pelo que passam, as pessoas que vivem em guerra permanente e já estão a ser vítimas das alterações climáticas.

Retirei do livro quatro frases, que me impressionaram.

  1. Não podem imaginar como a rua pode ser maternal, mesmo numa cidade (Beirute) em estado embrionário como a nossa.
  2. Um terrorista não era simplesmente uma vítima desprovida de terra, de riqueza, e de felicidade que tenta desesperadamente, talvez de forma bárbara, fazer com que a sua voz seja ouvida?
  3. Porque motivo algumas pessoas têm sempre a barriga vazia e os olhos molhados?
  4. Morremos todos e aquilo que (François)Duvalier, (Raoul)Cedras e os outros déspotas não conseguiram fazer a fúria dos céus conseguirá.

Excelente livro, do melhor que já li.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub